264 armas apreendidas sumiram da Vara da Infância de Brasília

De 2003 a 2006, 264 armas de fogo que estavam sob a guarda da Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal desapareceram. De janeiro a junho deste ano, 1.044 armas foram apreendidas no DF, sendo que 435 (41,7%) estavam nas mãos de crianças e adolescentes e foram encaminhadas para a Vara da Infância e da Juventude. A Polícia Civil trabalha com a hipótese de que houve colaboração de funcionários no furto das armas. "Como não houve assalto ou uma grande operação de roubo, as armas só podem ter sido retiradas uma a uma", afirmou o delegado Luiz Henrique Sampaio, da Delegacia de Roubos e Furtos, que preside o inquérito aberto quarta-feira. Ele e a promotora da Infância e Juventude Selma Bromn, que acompanha o inquérito, estranham que as armas tenham sido furtadas sem que ninguém percebesse. "É uma questão a ser levada em conta nas investigações. Como é que ninguém deu pela ausência das armas?", disse Sampaio. Selma explicou que as armas ficam sob guarda até que termine o processo que se seguiu à apreensão. Depois, no caso de ser registrada e ter sido furtada, ela é devolvida ao dono. Quando é ilegal, é entregue ao Exército. Sampaio contou que todas as repartições fazem inventário das armas no fim do ano. No caso da Vara da Infância e da Juventude, ele não foi feito porque o estoque era de armas apreendidas.

João Domingos, O Estadao de S.Paulo

07 Julho 2028 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.