Divulgação
Divulgação

3 mil pessoas estão desabrigadas por causa das chuvas em Rio Branco

Nível do rio sobe e é decretado estado de emergência

Itaan Arruda, especial para O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2012 | 10h15

Atualizado dia 18, às 16:30h

RIO BRANCO - O prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim, durante assinatura do documento que formalizou a situação de estado de emergência, fez uma afirmação que soou dramática. "Preparem-se para o pior", adiantou. Técnicos da Defesa Civil de Rio Branco afirmam que há possibilidade de o rio Acre aumentar ainda dois metros além dos atuais 16,36 metros.

Caso isso ocorra, será a pior enchente já registrada. O Ministério da Integração Nacional enviará hoje dois técnicos do Grupo de Apoio a Desastres para avaliar a situação da enchente causada pelo rio Acre na capital e em alguns municípios.

Já são 553 famílias alojadas no Parque de Exposições Marechal Castelo Branco. São 2.152 pessoas que recebem alimentação, atendimento de saúde, assistência social e prática recreativa para as crianças.

Em Boca do Acre (AM), o rio Purus, que recebe as águas do rio Acre, já está no limite da cota de transbordamento (19,20 metros). Em Assis Brasil, nas cabeceiras do rio Acre, centenas de famílias já estão desabrigadas. A situação obrigou a prefeitura da cidade e cancelar a festa de carnaval.

Em Rio Branco, a situação mais crítica ocorreu em 1988, quando o nível das águas do rio Acre alcançou 17,27 metros. Em 1997, a situação também foi crítica, alcançando 17,22 metros.

Emergência. Sobe para 3 mil o número de pessoas desabrigadas por causa da chuva em Rio Branco (AC). O número total de afetados pelas chuvas no estado chega a 30 mil. A Defesa Civil alerta que o nível do Rio Acre deve chegar a 17 metros. A previsão para a região é tempo encoberto com pancadas de chuva durante todo o fim de semana.

Ontem (17), o governo federal disponibilizou, por meio da Secretaria Nacional de Defesa Civil, R$ 1 milhão para apoio às vítimas das chuvas que atingem várias cidades do Acre. Os recursos serão usados na compra de alimentos, água potável, barracas, vestuário, material de primeiros socorros e produtos de higiene e limpeza.

O Ministério da Integração Nacional também informou que cerca de 100 barracas serão distribuídas aos desabrigados e 30 integrantes da Força Nacional foram mobilizados para reforçar os trabalhos de assistência e socorro. Técnicos do Grupo de Apoio a Desastres (Gade) também desembarcaram na região para compor as equipes da Defesa Civil municipal e estadual. As informações são da Agência Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.