30 mil evangélicos marcham pela paz no Rio

No Rio, mais de 30 mil pessoas, segundo o Corpo de Bombeiros, acompanharam a marcha pela Paz, que começou às 2h da tarde em frente à estação Central do Brasil, no centro da cidade. Representantes de 15 denominações evangélicas caminharam pela Avenida Presidente Vargas rumo à Praça da Apoteose, no Sambódromo, ao som de dois trios elétricos e embaixo de um sol de 30°C. No fim da tarde, o samba deu lugar a heavy metal, funk e forró com letras de louvor, tocados por diversos grupos evangélicos do Estado. "Precisamos mostrar ao povo que o Rio tem solução, se estiver com Jesus Cristo", disse o coordenador do movimento, o pastor Kenji Kikuetti, da Comunidade Cristã da Barra da Tijuca.Em certos momentos, o evento pela paz ganhou tom de disputa, protagonizada pelas duas candidatas que lideram a corrida pelo governo do Estado, Benedita da Silva (PT) e Rosinha Mateus (PSB), esposa do ex-governador Anthony Garotinho. Logo no início, Rosinha usou de sua empatia junto ao eleitor evangélico e pediu orações para que ela e Garotinho pudessem passar com tranqüilidade pelas "denúncias e mentiras" que circulam na imprensa. Ganhou o apoio do pastor Kikuetti, que coordenava a marcha. "Vamos orar pela família de Garotinho e Rosinha, que é abençoada", clamou.Mais tarde, na Apoteose, Rosinha atacou sua concorrente. "Benedita não se coloca, não se define e deixa o PT falar por ela", disse, para depois acusar a governadora de ter desmantelado a política de segurança posta em prática por seu antecessor, Garotinho. "Antes não jogavam granada, não invadiam postos da polícia e ninguém atirou no secretário de segurança. Acho que as coisas estão bem piores", afirmou. "Sou governadora do Estado e não preciso responder a qualquer um", retrucou Benedita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.