33 árvores caíram com chuva em SP

Alagamento não é mais única preocupação quando há temporal na cidade; secretaria nega falta de manutenção

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

16 de janeiro de 2009 | 00h00

Além dos frequentes alagamentos, as fortes chuvas que atingem a cidade de São Paulo também viraram sinônimo de queda de árvores. Ontem ainda se viam nas ruas os reflexos do temporal da tarde de quarta-feira, com vias parcial ou totalmente bloqueadas por troncos e bairros sem energia elétrica. Segundo a Defesa Civil Municipal, 33 árvores foram derrubadas com as chuvas.A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) registrava ontem no fim da tarde 27 ocorrências provocadas por quedas de árvores, que permaneciam bloqueando as pistas. Dentre as vias atingidas estão importantes avenidas, como a Washington Luís, na zona sul, e a Brigadeiro Faria Lima, na zona oeste. Além disso, a CET abriu ocorrências ontem por causa de problemas em trólebus, semáforos apagados e falta de energia em alguns bairros.A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras nega que o alto número de queda de árvores nos dias de chuva tenham relação com o mau estado delas. "Foi uma chuva forte. A árvore fica sensível por causa da alta permeabilização do solo e ainda houve os ventos fortes para desestabilizar", diz o coordenador de Áreas Verdes da Secretaria, André Graziano.Graziano diz que a Prefeitura iniciou um processo de podas preventivas para equilibrar as árvores e evitar quedas nos períodos de chuva. A Secretaria reconhece, no entanto, que o número de engenheiros agrônomos é insuficiente nas subprefeituras. "Atualmente, temos um profissional por subprefeitura (são 31). Então, quando ele tira licença, sua área fica desguarnecida." A Prefeitura realizou concurso, e 64 profissionais devem se juntar ao quadro atual. Alguns moradores reclamam que há árvores condenadas principalmente por causa da ação de cupins. Um dos casos é uma árvore na Rua Banibas, no Alto de Pinheiros, zona oeste. Há mais de quatro meses, a aposentada Maria Helena Grecchi, de 58 anos, deu entrada com um pedido na Subprefeitura de Pinheiros para a remoção de uma árvore, que ela diz estar tomada por cupins. Maria Helena diz que técnicos fizeram uma poda e não tomaram mais nenhuma medida. "Se cair, vai atingir uma praça onde crianças brincam, ou a casa da minha mãe."ENERGIAA Eletropaulo afirma que restaurou toda a distribuição de energia elétrica na madrugada de ontem. No entanto, alguns pontos permaneciam sem o serviço, pois árvores atingiram os "ramais de ligação", que transferem a energia para as residências. Em alguns casos, as árvores permaneciam no local, impedindo os consertos. Na capital, o bairro mais atingido foi o Brooklin, na zona sul. A companhia afirmou que normalizaria totalmente as condições na noite de ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.