Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

4 em cada 10 paulistanos são contra beijos e abraços entre LGBTs em espaços públicos

Conclusão do levantamento é que o paulistano é mais favorável às questões ligadas aos LGBTs quando elas acontecem 'longe' do entrevistado

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

22 Maio 2018 | 10h00

Quatro em cada 10 paulistanos são contrários à demonstração de afeto, como beijos e abraços, entre homossexuais em locais públicos. Uma pesquisa inédita da Rede Nossa São Paulo, lançada nesta terça-feira, 22, mostra que quando o assunto é convivência íntima com casais do mesmo sexo, os moradores da capital paulista ainda apresentam resistência. 

A conclusão do levantamento é que o paulistano é mais favorável às questões ligadas aos LGBTs quando elas acontecem "longe" do entrevistado. Somente 22% dos moradores de São Paulo apoiam que pessoas do mesmo sexo demonstrem afeto, como beijos e abraços, em locais públicos. Já 43% são contrários e 30% não são a favor nem contra. 

+++ A cada 19 horas, uma pessoa LGBT é assassinada ou se suicida no Brasil

O resultado é semelhante à demonstração de afeto na frente de familiares: 38% dos entrevistados rejeitam e 23% se declaram a favor. Entre os que não são a favor nem contra, há 33% em todos os aspectos analisados no âmbito íntimo, a favorabilidade à convivência íntima é mais acentuada entre jovens mais escolarizados e com maior renda. 

O estudo Viver em São Paulo, com foco em diversidade sexual, revela ainda que são nos espaços e no transporte públicos que os paulistanos mais afirmam ter vivido ou presenciado casos de preconceito de gênero ou orientação sexual. Em espaços públicos, 51% relataram já ter visto ou vivido situações de homofobia - já no transporte público, 46%.  

+++ Denúncias de homicídios contra LGBTs mais que dobram em 2017

Segundo o coordenador geral da Rede Nossa São Paulo, Jorge Abrahão, não havia dados em relação à temática LGBT especificamente na cidade de São Paulo. Com o estudo, será possível criar ano a ano uma série histórica sobre a relação do paulistano com a população homossexual.

+++ Solidão afeta idosos LGBT

Abrahão diz que a pesquisa aponta para uma "relativa hostilidade" da cidade aos LGBTs. Ele destaca as situações de preconceito no transporte público. 

"Se 5 em cada 10 paulistanos já tiveram de algum maneira contato com situação de preconceito, isso significa seis milhões de pessoas. Serve de alerta que o transporte público seja um vetor que sempre apareça. Quando pesquisamos situações de assédio sexual com mulheres, o transporte público também surge como um problema do ponto de vista da segurança", afirma. "O resultado mostra que precisamos de um transporte mais seguro e, para isso, podem ser feitas mais campanhas e mais fiscalização. Teria um impacto muito grande na cidade".

Também quatro em cada 10 paulistanos já vivenciaram ou presenciaram situações de preconceito de gênero ou orientação sexual em shoppings, bares, restaurantes, escolas, faculdades e comércios. O contato com todas as situações de homofobia investigadas é mais acentuado na região norte da cidade. 

Favorabilidade. Mais da metade dos moradores de São Paulo (54%) é favorável à criação de leis de incentivo à inclusão dos LGBTs no mercado de trabalho, a pessoas transexuais e travestis adotarem o nome social, ou seja, o nome pelo qual preferem ser chamados(as) (53% de favorabilidade) e à adoção de crianças por casais homossexuais (51% de favorabilidade).

Com a maior rejeição pelo paulistano, está a criação de banheiros unissex ou sem demarcação de gênero. Enquanto 52% são contrários à ideia, somente 20% apoiam. 

Administração municipal. Cerca de 3/4 avaliam que a administração municipal tem feito pouco ou nada para combater a violência contra a população LGBT. 

Para 46% dos entrevistados, a Prefeitura de São Paulo tem feito muito pouco para combater esse tipo de violência e para 28% a Prefeitura não tem feito nada. Dos entrevistados, 8% afirmam que a gestão municipal tem feito muito para garantir a segurança da população e 18% não souberam ou preferiram não responder.

"A avaliação da Prefeitura é baixa. Há uma sensação de que poderia estar sendo feito mais. Onde mais aparecem os preconceitos é nos espaços públicos. São lugares em que a Prefeitura está presente. É um campo que a Prefeitura poderia estar assumindo mais o papel", afirma o coordenador da Rede Nossa São Paulo. 

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informa que investe em várias ações para combater a violência contra a população LGBTI. Na manhã desta terça-feira, o prefeito Bruno Covas reafirmou a disposição da administração municipal em "promover políticas afirmativas para todos os segmentos da população que sofrem com preconceito e discriminação". 

Uma das iniciativas, comandada pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos, é o aperfeiçoamento e ampliação do programa Transcidadania, de formação educacional e profissional.

No texto, a SP Trans repudia qualquer manifestação de desrespeito ao público LGBTI no transporte público e informa que os operadores dos veículos estão preparados para agir em caso de ocorrências.

Índice de LGBTfobia. Nesta edição da pesquisa Viver em São Paulo, foi criado um índice para classificar a população paulistana em relação à variação da favorabilidade sobre frases ligadas à temática.

O resultado final é uma escala que varia de 0 a 1. Sendo quanto mais próximo de 0, mais favorável é o respondente em relação aos temas LGBTs, e quanto mais próximo de 1 é o índice, mais contrário ele é. 

Na média, São Paulo alcançou o índice de 0,46 - o que representa que, de forma geral, que o paulistano é "timidamente mais favorável" às questões LGBT.

"O índice está quase meio a meio, mostrando uma tênua tendência da população a ter maior aceitação. Ainda estamos no meio do processo, tendo que trabalhar essas questões. Existe muito a ser trabalhado para que possamos reduzir esses problemas", diz Abrahão. 

O perfil do grupo mais favorável a questões relacionadas à população LGBT é composto por mulheres, mais escolarizadas, da região oeste da cidade, de religiões diversas, com renda familiar de mais de 5 salários mínimos e com idade entre 25 e 43 anos. 

Já o perfil do grupo mais contrário a questões relacionadas à população LGBT é composto por homens, menos escolarizados, da região leste da cidade, evangélicos ou protestantes, com renda familiar de menos de 2 salários mínimos e com mais de 55 anos. 

Foram entrevistadas 800 pessoas. A pesquisa incluiu no perfil amostral a pergunta de autodeclaração sobre a orientação sexual dos entrevistados. O resultado aponta que 90% dos paulistanos se declaram heterossexuais, 3% homossexuais, 2% bissexuais e 5% não sabe ou não respondeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.