''40 anos de convívio: eu tenho orgulho de ter sido amigo dele''

Ex-ministro de Itamar, afastado quando surgiram suspeitas de corrupção, fala da retidão do grande amigo e aliado político

, O Estado de S.Paulo

03 Julho 2011 | 00h00

DEPOIMENTO - Henrique Hargreaves

"Itamar Franco foi uma pessoa que, para mim, era mais que um amigo, mais que um chefe, era mais que um irmão. Tínhamos uma ligação muito forte. Então, eu nem me considero suspeito para elogiá-lo, não, porque era uma pessoa reta, preocupada com o trato da coisa pública. Bom ouvinte, não tinha nenhuma cerimônia em retroceder quando achava que estava errado.

Muito educado, principalmente com as pessoas subordinadas a ele. E muito corajoso com quem estava acima. Eu costumava dizer: ele não cospe para baixo, cospe para cima. É uma pessoa que deixa muitos bons exemplos. Sempre foi de muita coerência e retidão.

De convivência, são quase 40 anos. Nos conhecemos em Juiz de Fora (MG). Ele era mais velho que eu. Eu estava iniciando economia, ele estava terminando engenharia. Depois, como prefeito, meu pai era vereador, líder dele na Câmara. Ele foi eleito senador, eu era funcionário da Câmara. Depois, veio de Brasília para Minas Gerais, eu já estava aqui e sempre mantivemos essa relação estreita.

Normalmente, ele tinha como princípio dar a amigos funções que são de caráter muito pessoal, como secretário particular, chefe de gabinete. O restante da equipe sempre foi escolhido olhando o lado técnico.

Como presidente da República, ele definiu áreas em que não aceitava indicação: militar, econômica, previdência e saúde. Nessas áreas, não aceitava indicação nenhuma. Não tinha ingerência política.

Quando assumiu a Presidência da República em 1992, ele não tinha equipe previamente montada, porque não considerava, não achava que podia assumir. Então, escolheu dentro do Congresso deputados e senadores que tinham marcadamente uma ação em cada área. Eram pessoas do partido, mas que não foram indicadas pelo partido. Isso era um indicativo de seu caráter e sua personalidade. Ao mesmo tempo em que estou triste com a morte dele, estou muito orgulhoso de ter sido seu amigo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.