5 pessoas sobrevivem à queda de avião em canavial no interior

Aeronáutica investiga se houve problema mecânico ou falta de combustível

Brás Henrique, RIBEIRÃO PRETO, O Estadao de S.Paulo

21 de abril de 2008 | 00h00

Técnicos da Aeronáutica estiveram, na tarde de ontem, em Batatais, na região de Ribeirão Preto, no canavial onde caiu um avião bimotor por volta das 19 horas de sábado, transportando cinco pessoas. Os cinco homens, todos de Franca, ficaram feridos, mas pelo menos três já tiveram alta hospitalar. Os técnicos fizeram a perícia para descobrir a causa do acidente - problema mecânico ou falta de combustível. O laudo pericial nesse tipo de ocorrência geralmente fica pronto em até 30 dias. A aeronave decolou de João Pinheiro, em Minas Gerais, com destino a Franca. Porém, o mau tempo impossibilitou o pouso, obrigando o piloto a seguir até o Aeroporto Leite Lopes, em Ribeirão Preto. O avião perdeu altitude e o pouso forçado ocorreu num canavial, ao lado do km 62 da Rodovia Cândido Portinari, antes de se aproximar do novo destino.A reportagem procurou ontem o piloto e dois passageiros que ainda estão internados. Seus parentes confirmaram que eles estão bem, mas que não falariam sobre o acidente.O piloto Alair Cândido de Oliveira, de 57 anos, está internado em Batatais, os outros em Franca. "Ele está bem, mas não tem nada a declarar", disse a filha Carolina. Rita, madrasta de Paulo Roberto Silveira Ribeiro Maciel, de 34 anos, disse que ele não faria comentários. Ela confirmou que a aeronave era da empresa da família, uma madeireira, e que todos retornavam de um trabalho prestado em Minas Gerais. Paulo Roberto está em observação, com dores nas costas, mas ainda sem previsão de alta hospitalar.Flávia, irmã de Isac Dione Ferreira, de 23 anos, informou que ele está sedado por causa de dores musculares, mas teria alta em breve, o que ainda não havia ocorrido ontem à noite. "Ele disse que nunca sentiu tanto medo na vida ao ver o avião caindo no canavial", comentou Flávia. Ferreira trabalha há dois meses na madeireira da família Maciel. Além dessas três pessoas estavam no avião Paulo Eduardo Maciel, de 60 anos, pai de Paulo Roberto, e Itamar Pimenta, de 38, um trabalhador autônomo. Os cinco estavam no bimotor (PT-RMG), modelo Sêneca II.Após a queda, Pimenta, que sofreu pequenas escoriações pelo corpo, saiu do avião e percorreu cerca de 200 metros no canavial, enlameado pela forte chuva, até chegar à margem da pista e pedir socorro.Bombeiros de Franca, Ribeirão Preto, Batatais e Orlândia estiveram no local e concluíram o resgate por volta de 21h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Novembro Azul: entenda a campanha de prevenção do câncer de próstata
  • DPVAT: o que é e como funciona o seguro obrigatório?
  • Yuval Harari: “Algoritmos entendem você melhor do que você mesmo se entende”

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.