5 presos por furto em condomínios

Quadrilha agia em seis Estados e entrava em apartamentos de luxo quando donos estavam ausentes

José Dacauaziliquá, O Estadao de S.Paulo

24 Julho 2009 | 00h00

Cinco pessoas acusadas de integrar uma quadrilha especializada em furtos de condomínios de luxo foram presas, ontem de manhã, numa operação conjunta entre policiais de São Paulo, Santa Catarina e Minas. De acordo com a polícia, os criminosos são de classe média e agiam em seis Estados. As investigações foram lideradas por policiais catarinense. Eles pediram apoio para os colegas paulistas e mineiros para cumprir sete mandados de prisão. As prisões ocorreram em Jundiaí (SP) e Montes Claros (MG). Os criminosos identificados são Raul Arruda Júnior, de 34 anos; José Valdo Sander Pereira, de 42; Letícia Jardim Araújo, de 18; e as irmãs Gardene, de 39, e Wilma Jardim Caíres, de 34. Quatro deles foram presos em São Paulo e deverão ser transferidos nos próximos dias para Santa Catarina. De acordo com a polícia, os criminosos atuavam nos Estados de São Paulo, Minas, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso. Os bandidos começaram a ser investigados em abril. Um integrante da quadrilha foi preso no mês passado, em Sorocaba, no interior. Segundo a polícia, era Arruda Júnior quem tinha a função de escolher os imóveis que seriam arrombados. Geralmente eram apartamentos de um por andar, situados em bairros nobres. Depois, os criminosos telefonavam para saber se havia alguém da família no imóvel. Caso o apartamento estivesse vazio, duas das mulheres da quadrilha se dirigiam à portaria e se identificavam como amigas de uma moradora. A dupla usava chave mixa (falsa), grampos e chaves de fenda. A polícia ainda investiga a possibilidade de que a quadrilha tenha invadido um prédio de São José do Rio Preto, no interior paulista. Nesse furto, o circuito de segurança registrou as imagens de duas mulheres. As cidades de Sorocaba e Campinas também foram alvos da quadrilha. Uma das pessoas detidas é acusada de furtar joias e dinheiro do apartamento de um ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.