500 mortos e quase 10 mil feridos: acidentes nas férias

Desde o início da Operação Férias, da Polícia Rodoviária Federal (PRF), de 15 de dezembro até ontem, foram registrados 9.734 acidentes nas rodovias federais, com 5.955 feridos e 542 mortos. Um número grande que, de acordo com o coordenador geral de Operações da PRF, inspetor José Benites, tem como principais causas a imprudência dos motoristas e as más condições das estradas.Em comparação com mesmo período do ano anterior, o número de acidentes subiu 9,19%, segundo informações da Agência Brasil. Esse percentual é explicado pelaPRF como conseqüência do aumento da frota e do número de motoristas, além da deterioração das estradas. Estatísticas eanálises mais aprofundadas só serão feitas, segundo o inspetor, após o fim da operação, que ainda terá um período de maioresforço na vigilância durante o carnaval.Existem no país cerca de 60 mil quilômetros de rodovias federais pavimentadas. Desse total, apenas 30% estão em boascondições de tráfego. Todo o efetivo da PRF, de aproximadamente 7.400 pessoas, está envolvido na Operação Férias, que vai até15 de março . O período de chuvas na maior parte do país exige maior atenção dos motoristas. As chuvas são responsáveis pormuitos estragos nas rodovias.Os trechos mais afetados pelo mau tempo estão nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Hoje pelamanhã, houve uma queda de barreira em Guarapari (ES), na BR-101. O trânsito ficou interditado até o início da tarde. Na BR-262,que liga o município de Araxá a Ibiá, na saída de Belo Horizonte para o Triângulo Mineiro, o trânsito é lento por causa do grandenúmero de buracos na rodovia. Também na BR-262, a situação é semelhante no município de Campo Grande (ES), nasproximidades do trevo da Ceasa.A PRF recomenda às pessoas com viagens programadas a consultar o posto da polícia rodoviária mais próximo ou ligar para otelefone 191, onde poderão obter informações atualizadas sobre o estado das rodovias.

Agencia Estado,

13 de janeiro de 2004 | 19h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.