53 pessoas foram mortas na BA após greve da PM

Desse total, 29 foram assassinadas em um dia, segundo informações do governo baiano

Solange Spigliatti, do estadão.com.br,

04 Fevereiro 2012 | 08h46

São Paulo, 4 - A onda de violência que atinge a Bahia desde a última terça-feira, dia 31 de janeiro, quando teve início uma greve de policiais militares, já resultou na morte de pelo menos 53 pessoas, segundo dados do governo baiano. O último assassinato foi registrado por volta da 0h45 deste sábado, 4, no bairro Plataforma, onde um homem ainda não identificado foi executado.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, já estão à Bahia - chegaram na manhã deste sábado - e devem se reunir com o governador do Estado, Jaques Wagner, para acompanhar as operações das Forças Armadas.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, também na madrugada de hoje, uma loja de eletrodomésticos na região de Liberdade foi arrombada por quatro pessoas e saqueada por populares.

Além dos 2,8 mil militares do Exército, Marinha e Aeronáutica, estão sendo enviados cerca de 450 policiais da Força Nacional de Segurança Publica, ligada ao Ministério da Justiça. A chegada dos militares e policiais tem como objetivo garantir segurança da população e coibir eventuais ações criminosas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.