53 pessoas foram mortas na BA após greve da PM

Desse total, 29 foram assassinadas em um dia, segundo informações do governo baiano

Solange Spigliatti, do estadão.com.br,

04 de fevereiro de 2012 | 08h46

São Paulo, 4 - A onda de violência que atinge a Bahia desde a última terça-feira, dia 31 de janeiro, quando teve início uma greve de policiais militares, já resultou na morte de pelo menos 53 pessoas, segundo dados do governo baiano. O último assassinato foi registrado por volta da 0h45 deste sábado, 4, no bairro Plataforma, onde um homem ainda não identificado foi executado.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a secretária Nacional de Segurança Pública, Regina Miki, e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, já estão à Bahia - chegaram na manhã deste sábado - e devem se reunir com o governador do Estado, Jaques Wagner, para acompanhar as operações das Forças Armadas.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, também na madrugada de hoje, uma loja de eletrodomésticos na região de Liberdade foi arrombada por quatro pessoas e saqueada por populares.

Além dos 2,8 mil militares do Exército, Marinha e Aeronáutica, estão sendo enviados cerca de 450 policiais da Força Nacional de Segurança Publica, ligada ao Ministério da Justiça. A chegada dos militares e policiais tem como objetivo garantir segurança da população e coibir eventuais ações criminosas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.