84 menores infratores fogem de instituto no Rio

Pela décima primeira vez em menos de dois meses, menores infratores escaparam do Instituto Padre Severino, na noite de terça-feira. Dos 84 fugitivos - metade do total de internos -, 30 haviam sido recapturados até a tarde de hoje. Segundo a polícia, alguns se esconderam na Favela do Barbante, próxima à instituição, na Ilha do Governador, na zona Norte do Rio. Eles teriam apoio dos traficantes de drogas da região.De acordo com o Departamento Geral de Ações Sócio-Educativas (Degase), responsável pela instituição, não chegou a haver confronto entre os menores e os 15 agentes de plantão. Eles fugiram pouco depois do jantar, por volta das 20 horas, depois de pular o muro com auxílio de cordas improvisadas com lençóis. Na manhã desta quarta-feira, mães esperavam na porta da entidade para saber se os filhos faziam parte do grupo que escapou.Até ontem, 170 menores estavam internados no Padre Severino. As fugas e rebeliões são constantes. Em junho, depois de um motim, foices e facas foram encontrados com os internos. Já houve também denúncias de tortura dos jovens pelos agentes - o que levou à exoneração do antigo diretor, Peter da Costa. Em junho, o Ministério Público entrou com representação contra a instituição, cobrando justificativas para tantas ocorrências, sob pena de fechá-la. O instituto ainda tem 30 dias para se adequar antes que se esgote o prazo dado pelo MP. CobrançaO juiz da 2ª Vara da Infância e Juventude, Guaraci Viana, também cobrou hoje uma explicação para as fugas. "Como é que quase 100 meninos fogem? Com a conivência dos agentes? Onde é que eles estavam?", indagou. Ele sugeriu que a direção do departamento se reúna com o juizado para que a situação no Padre Severino seja avaliada. Viana cogitou a possibilidade de nova troca do diretor do instituto.Segundo a Secretaria de Estado de Direitos Humanos, um dos problemas do Padre Severino é a falta de agentes - metade dos funcionários pediram afastamento por razões médicas desde que a nova secretária, Wânia Santana, assumiu, combatendo a prática de tortura. A secretária já foi a Brasília buscar recursos para melhorar as condições no instituto junto ao governo federal, que prometeu ajudar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.