A andrógina que é a cara da Ellus

Agyness Deyn, considerada a nova estrela internacional, desfila pela primeira vez no País

Valéria França, O Estadao de S.Paulo

21 de janeiro de 2009 | 00h00

Considerada a nova estrela das passarelas internacionais, a londrina Agyness Deyn, de 25 anos, desembarcou na capital paulista para desfilar hoje na São Paulo Fashion Week. Nome e rosto ainda desconhecidos da maioria dos brasileiros, a top é considerada a sucessora de Kate Moss. Agyness substituiu a conterrânea na campanha da Burberry. Já estampou capas das revistas Vogue Itália, Vogue Paris e Vogue londrina. Também emprestou sua imagem à grife House of Holland, do amigo inglês Henry Holland, famoso pela confecção dos bem-humorados camisetões. A top ainda exibiu seu rosto em manequins da Zara.O destaque da top cresceu com o namoro com o guitarrista dos Strokes, Hammond Junior. E também porque tem sua própria banda, Lucky Knitwear. "Antes mesmo de começar a carreira como modelo, aos 16 anos, eu já estudava guitarra. Adoro tocar", conta. Se ela toca bem? "Não sou um Jimi Hendrix, mas toco bem sim", brinca. É esse estilo roqueiro que ela exibe hoje no prédio da Bienal.Agyness veio ao País como modelo exclusiva da Ellus. "Há um ano venho tentando trazê-la para o Brasil. Sua atitude tem tudo a ver com a Ellus", diz Adriana Bozon, diretora de Criação da marca. "Ela é andrógina. E a Ellus é uma marca que começou com jeans masculino e tem muito a ver com o rock."Agyness está hospedada no Hotel Fasano, nos Jardins. "Não gosto muito dos Jardins. Não vim para o Brasil para comprar grifes. Prefiro lugares mais originais, como o Bexiga", diz a top, que teve um tempinho para circular pela cidade antes de começar a fotografar o catálogo da campanha de inverno da Ellus. "Adorei as lojas de antiguidades e os brechós. Lá, comprei um chapéu e duas bolsas. Não sou Patty. Gosto de coisas diferentes. Assim que tiver um tempinho quero experimentar uma feijoada."Quando trocou Londres por Nova York, aos 22 anos, Agyness não lamentou o fato de ter ficado longe dos amigos de infância e dos irmãos, o piloto Greg, de 29 anos, e a artista plástica e grafiteira Emily, de 21, apesar da proximidade e intimidade que sempre cultivaram. "Foi o período em que mais cresci. Aprendi muita coisa sobre mim e desenvolvi minha autoconfiança." Em Nova York, entre tantas tops, Agyness conheceu a brasileira Carol Trentini, da Way Models. "Conheci Agyness em editoriais de moda há dois anos. Já fomos a muitos eventos juntas." "Tenho poucos amigos, mas eles são fundamentais na minha vida, pois dão o suporte", diz Agyness.A carreira de Agyness deslanchou mesmo em solo americano. "Devo isso ao meu agente, que entendeu bem o meu jeito de ser, o meu estilo. Daí para frente, escolheu os trabalhos a dedo." O resultado foi um grande salto na carreira e a superexposição de sua imagem, a ponto de a mídia inglesa eleger a loira a personalidade mais chata de 2008. O que Agyness acha disso? "Ah, não leio mais nenhuma matéria sobre mim", diz ela, um pouco triste com essa pecha. "A maioria delas é escrita por pessoas que nunca falaram comigo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.