A arma era velha e o menino estava brincando. Mas atingiu o amigo

"A gente estava brincando de polícia e ladrão e ele pediu para atirar nele", contou o menor C.F.M., de 8 anos, que atingiu com um tiro no rosto o amigo H.C.M., de 4 anos. O acidente ocorreu na pequena cidade de São José do Vale do Rio Preto, na região serrana, na manhã de terça-feira. H. está com uma bala alojada perto do olho esquerdo, mas não corre risco de vida nem de perder a visão.As seis armas encontradas pelos meninos - entre elas o revólver calibre 22 que atingiu H.- pertencem ao pai de C., o inspetor de polícia Gualter Moreira, que não mora com a família. Segundo os policiais, o armamento estava escondido em um antigo galinheiro, usado como depósito, na casa de C., no bairro de Santa Fé. Mesmo com a porta trancada, as crianças teriam passado pelo buraco da tela e achado a bolsa com as armas, onde havia também uma faca.O delegado Roldenyr Cravo, da delegacia da cidade, informou que as armas do inspetor são velhas e foram herdadas do pai dele. "São armas velhas, tem até uma garrucha. Só que o revólver funcionou no lugar errado e na hora errada." O armamento apreendido será encaminhado para perícia para saber quantas estão próprias para uso. Cravo disse ainda que C. apertou o gatilho quatro vezes, mas só o último disparo foi efetuado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.