A caixa de dissonâncias

São Paulo se tornou uma cidade inquieta, estranha e interessante

, O Estadao de S.Paulo

24 de janeiro de 2009 | 00h00

São Paulo. Um Portugal inteiro. Toda a Grécia. Dois Rio de Janeiro. Nem a paz campestre do Alentejo. Muito menos a monumentalidade da Acrópole. Nada que arrombe as retinas: nem mar, nem montanhas, nem garotas de Ipanema. Cidade "áspera, intratável" como o cacto que um dia atravessou e interditou Recife nos versos de Manuel Bandeira? Esta é a maneira fácil, simplificadora de ver São Paulo. É verdade que a cidade é um superlativo de impasses, aumentativo de problemas, máquina de fazer doidos no trânsito. Mas esta é apenas uma forma de encará-la, sem perceber desvãos e sutilezas de sua desmesurada e intrigante volumetria. É deixar-se soterrar pelo disforme corpanzil, sem se dar conta das delícias de espírito de suas falanges multiculturais, que já foram fortificações intransigentes forçadas pelo tempo, por algum sofrimento e pela vertigem urbana a transigir, ainda que tantas vezes a contragosto. Definitivamente São Paulo não é uma cidade para flanar. Defeito grave. Há raras esplanadas. Corcovas e mais corcovas de ladeiras, de tirar o fôlego e esgotar coronárias. É um labirinto jesuítico. Feito sob medida para esconderijos. Uma sinuosa e indevassável geografia de achados e perdidos. Transformou-se num regaço de temporais. Incontroláveis. Incontornáveis.Mas o que a saturação corrompeu, o que o desespero secretou, o que a solidão das multidões destilou - tudo isso fez de São Paulo uma cidade inquieta, estranha e interessante. O cotidiano obliterado por dificuldades instilou altas doses de predação à luta pela vida, mas também deu aos paulistanos aquele tônus empreendedor espantoso, no melhor sentido, e devastador, no pior.Quem imagina que tudo isso azeda a vida engana-se. Ainda que os valores do trabalho perpassem quase tudo, contaminando juízos pessoais às vezes para além do razoável, subsiste a todas intempéries, a todos os massacres um notável e singular apreço pela convivência, expresso numa cálida hospitalidade, numa ironia que zomba do senso comum, num surpreendente e saudável gosto pelo esquisito, numa avidez de conhecimento que faz de São Paulo uma formidável caixa de dissonâncias do Brasil. Desse testemunho, como carioca da gema, dou fé.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.