À CPI, diretora da Anac nega favorecimento a empresário

A diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) Denise Abreu negou nesta quinta-feira, 23, na CPI do Apagão Aéreo da Câmara, que tenha tentado beneficiar um suposto amigo na transferência do transporte de cargas dos aeroportos de Cumbica, Congonhas e Viracopos - em Campinas - para Ribeirão Preto. A diretora da Anac afirmou que o aeroporto de Ribeirão Preto não possui terminal de cargas e que o empresário em questão não seria seu amigo. No inicio de seu depoimento desta quinta, Denise disse se considerar injustiçada, e comparou o seu caso aos dos deputados Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) e Alceni Guerra (DEM-PR), que foram acusados e inocentados posteriormente. A diretora também afirmou que as críticas relacionadas às fotos em que ela aparece fumando charuto são uma discriminação pelo fato de ela ser mulher.Em depoimento, segundo informações da Agência Câmara, Denise disse que reformulou o conceito de amizade, após ter enfrentando um tratamento contra câncer, e, hoje, seu círculo de amizades é restrito. A acusação contra a diretora foi feita pelo ex-presidente da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) José Carlos Pereira. Segundo ele, a intenção de Denise era beneficiar Carlos Ernesto Campos, dono da empresa Tead - Terminais Aduaneiros do Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.