'A democracia permite que as pessoas se expressem'

O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP) liderou o Conclat e, em seguida, se licenciou da Força Sindical para tentar a reeleição. Sobre o evento, disse que "é preciso permitir opiniões".

Entrevista com

Paulo Pereira Silva. Deputado, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2010 | 00h00

É justificada a atuação política dos sindicatos?

Você vive num meio político e muitas vezes os problemas dos trabalhadores não estão mais na porta da fábrica. É preciso resolver isso em ministério, com governador ou presidente. Fazer atuação sindical e manter a pluralidade no meio sindical.

Como avalia a Conclat?

Foi um evento histórico. Nos últimos 10 anos, aproximamos as centrais e superamos as divergências. O mais importante é que o encontro foi para aprovar um documento com 249 ideias ou propostas que será entregue a todos os candidatos.

E a Lei Eleitoral?

Estamos em uma democracia, você tem de permitir as opiniões de todos. No caso da Força, das pessoas que falaram dois eram do PSDB, três do PDT e um do PMDB. Acho que aí são opiniões, acima de tudo, de cidadãos. A democracia permite que as pessoas se expressem. /R.A.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.