A despeito de pesquisas, Serra espera campanha dura

O candidato do PSDB ao governo de São Paulo, José Serra, disse que, apesar dos resultados favoráveis nas pesquisas, a campanha será dura e, por isso, ainda é preciso trabalhar muito. Depois de cancelar compromissos na Baixada Santista devido ao mau tempo, o ex-prefeito visitou à tarde o Mercado Municipal, na capital, local de passagem obrigatória dos candidatos nas eleições paulistas. "Recebo sempre com muita alegria as pesquisas porque elas dão uma vantagem grande. Agora, pesquisa não é o resultado da eleição. A gente vai ter que trabalhar muito. É uma campanha trabalhosa e dura", comentou. Serra classificou como "normal" a perda de 3 pontos porcentuais registrada na pesquisa Estado/Ibope/TV Globo, divulgada na sexta-feira, em que o tucano aparece com 46% e o candidato Aloizio Mercadante (PT), 15%. "A distância (do petista) é tão grande que é normal ter oscilações dessa natureza. O importante é que estamos ainda bem adiante." Segundo a pesquisa, Serra venceria no primeiro turno.O tucano voltou a dizer que não espera uma campanha limpa por parte de seus adversários, mas, diferentemente da troca de acusações dos últimos dias, evitou polemizar. "Faz parte do processo democrático. A gente tem que ser tolerante."Em suas andanças pelos corredores do mercado por cerca de uma hora e meia, Serra contou com a ajuda de um cabo eleitoral familiar: tia Carmelita, de 74 anos. Conhecida por ser a tia coruja, Carmelita saiu pedindo votos para o sobrinho. "Vem dar um abraço nele", disse, pegando pelo braço uma senhora que tentava chegar até Serra. O tucano trabalhou por muito tempo em uma barraca de frutas do pai no mercado. "Toda a minha família trabalhou aqui a vida inteira então é um lugar bastante familiar."Além de apoio, Serra também enfrentou constrangimentos. "O senhor é que devia estar lá (na disputa pela Presidência)", disse o empresário José Eduardo Pires Faustino, 46 anos. Constrangido, Serra retribuiu o comentário apenas com um abraço. Logo depois, foi confundido com o senador Eduardo Suplicy (PT). "Olha lá, não é o Suplicy?", indagou uma mulher. "Moço, é o Suplicy mesmo?", perguntou ela a um dos seguranças do ex-prefeito. A resposta negativa não a intimidou. Ela atravessou o cordão de fotógrafos e cinegrafistas e cumprimentou o candidato.Depois de comer uma empada, um pedaço de fruta e um doce de nozes, Serra falou de sua proposta para melhorar os trens na Grande São Paulo. O candidato prometeu levar trens novos, como os que circulam em bairros nobres da capital, para linhas da periferia - Luz-Francisco Morato e no trecho de Guaianases a Mogi das Cruzes na linha E. "Vamos procurar investir para dar melhor qualidade e mais rapidez."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.