‘A gente tem de se educar’, diz fumante

Fumantes foram o alvo preferencial do Programa Lixo Zero e se mostraram compreensivos com a aplicação das multas

Roberta Pennafort,

20 de agosto de 2013 | 23h56

Todo dia eles fazem tudo sempre igual: fumam, jogam o cigarro no chão e seguem seu caminho. Nesta terça-feira, 20, os fumantes foram o alvo preferencial do Programa Lixo Zero e se mostraram compreensivos com a aplicação das multas.

O vendedor Felipe Coutinho, de 31 anos, pretende recorrer da punição de R$ 157 que recebeu no Largo da Carioca, mas apoia a medida. "Apaguei o cigarro no chão por distração. A gente tem de se educar mesmo, aprender com nossos erros. O brasileiro tem essa mania de só mudar quando dói no bolso", disse Coutinho.

A recomendação das equipes de fiscalização é que os fumantes apaguem o cigarro nas placas de metal nas bocas da lixeiras e as bitucas sejam jogadas ali. Uma alternativa é usar cinzeiros portáteis.

Os agentes da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) estão distribuindo sacos plásticos e instruindo as pessoas a levar embalagens, papéis e outros resíduos na bolsa, até descartá-los em uma lixeira de rua ou em casa.

O trabalho de fiscalização será feito das 7h às 22h20, em dois turnos. Nos bairros onde a população está sendo conscientizada o volume de resíduos jogados na rua caiu um terço, informou a Comlurb.

Tudo o que sabemos sobre:
Lixo zerorio de janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.