A mineirice por trás da elegância de Calvin Klein

Designer da grife de Nova York busca inspiração na infância em Guarani

Camila Viegas-Lee, O Estadao de S.Paulo

15 de dezembro de 2007 | 00h00

Engana-se quem vê fotografias de Guarani, de 8.528 habitantes, e enxerga só uma pacata cidade da Zona da Mata mineira. Pelo menos para a personalidade mais conhecida nascida lá, o diretor de Criação da linha feminina da Calvin Klein, Francisco Costa, de 43 anos, a terra natal é sinônimo de dinamismo e elegância. "Sem ela eu não teria me tornado quem sou hoje", diz. "Foi um privilégio ter crescido numa família tão ativa, engajada na vida social da cidade, com tanta liberdade de expressão. Tive muitos bons exemplos. Fora essa coisa gostosa que é ser mineiro."Todos os anos Costa deixa de lado o glamour do circuito fashion de Nova York e volta para matar saudades de "montanha, cachoeira, passeio de domingo, cheiro de mato, comida caseira e pedaladas de bicicleta".Costa nasceu em 1964 e é o quarto de cinco filhos do roceiro Jacy Neves da Costa e Maria Francisca, dona de uma fábrica de roupas infantis. Depois da escola, enquanto seus colegas iam brincar, trabalhava na fábrica da mãe pregando etiquetas e preparando tecidos para aplicação de rendas e bordados com os irmãos Jacymara, Jacy, João e Sérgio. O diretor de Criação da Calvin Klein parece ter puxado a independência e o espírito empreendedor da mãe que, além de tocar a fábrica com 120 empregados com uma prima, fazia parte do Lions Club e era presidente da Conferência São Vicente de Paulo - organização católica que organizava atividades para a comunidade local.Graças ao trabalho na fábrica, Costa começou a desenhar cedo. Aos 12 anos, chocou os primos quando apareceu numa feira de cavalos vestido com um terno de gabardine vinho estilo safári. O garoto esboçou o terno em um pedaço de papel, comprou o tecido e pediu para a costureira Marta, que fazia roupas sob medida a partir de desenhos e recortes de revista, colocar a obra em prática. "Todo mundo estava vestido de caubói, com calça jeans e bota, e eu estava todo arrumado."Alguns anos depois, começou a desenhar todas as roupas da coleção para adultos do desfile beneficente do São Vicente de Paulo. O objetivo era arrecadar fundos para o asilo, mas Costa já estava treinando os olhos e aperfeiçoando as aptidões. Mas nem podia imaginar que em 2003 assumiria o posto de principal estilista da linha feminina da Calvin Klein.Costa assumiu o cargo no mesmo ano em que Klein vendeu a empresa para a gigante da indústria têxtil Phillips-Van Heusen por US$ 400 milhões em dinheiro, cerca de US$ 30 milhões em ações da PVH, opções de ações e incentivos financeiros baseados nas vendas futuras "No início eu sentia que ele (Klein) colocava muita pressão em mim e estava sempre muito interessado no que eu fazia. Depois (quando o criador da marca passou a batuta) foi que eu percebi que ele estava me treinando, como mentor."RECONHECIMENTOEm 2006, Costa conquistou o prêmio do Council of Fashion Designers America, conhecido como "o Oscar da moda" em Nova York. Hoje, o diretor de Criação diz estar mais confortável com a responsabilidade de desenhar para a linha feminina da Calvin Klein. Os críticos da moda dizem que ele foi o responsável por adicionar leveza e sensualidade para as coleções da marca. Para Costa, é a cidadezinha mineira que está por trás da simplicidade e elegância das linhas sinuosas de seus vestidos. Ele compara sua ligação com as raízes mineiras ao poema que serve de epígrafe a um livro sobre a terra natal, Guarani, Terra Querida (Ed. O Lutador, 1998): "Guarani, terra que me aterra (...) onde meus pés caminham por si" - o livro, por sinal, foi escrito por Aparecida Abreu, professora que deu aulas de português a Costa.Em 2008, o estilista quer organizar um evento internacional chamado "O Mundo de Calvin" em São Paulo, com a parceria de um artista, fotógrafo ou arquiteto brasileiro. "É uma maneira de apresentar os produtos da Calvin Klein de forma nova e moderna." Além disso, prepara a coleção de verão para a semana de moda de Nova York, em fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.