A nada mole vida de uma fiscal

Agentes antifumo são ameaçadas

, O Estadao de S.Paulo

08 Agosto 2009 | 00h00

Liliana Torres, Cristiane Rezende, Eliane de Oliveira e Christiane Meirelles estão com medo. Elas tiveram suas vidas mudadas com a lei antifumo. E não porque se tornaram alvo das blitze. Pelo contrário. Não fumantes, elas formam uma das equipes de agentes sanitários que vão percorrer bares, restaurantes e outros estabelecimentos onde é proibido fumar. Já no primeiro dia de fiscalização, Eliane e Christiane sentiram na pele a sensação de não serem bem-vindas. Era 0h30 de ontem, quando Eliane e Christiane entraram na pizzaria Na Hora, na zona norte da cidade. De imediato, um dos clientes acendeu um cigarro. O proprietário mandou que ele se retirasse. Eliane e Christiane começaram a vistoriar o bar e a fazer o registro de inspeção. Eram apenas anotações. Mas o infrator acreditou que elas estavam multando o estabelecimento. Sentindo-se culpado, foi atrás das agentes para intimidá-las. Falando alto, questionou o nome delas. E ameaçou: "Se esse lugar for multado, eu vou atrás de vocês." O homem, que evidentemente não se identificou, ainda seguiu Elaine e Christiane na rua e repetiu a ameaça. As quatro agentes temem que a situação se repita - principalmente nos primeiros dias da lei. "Temos bastante medo. Conforme o teor alcoólico dos clientes aumenta, a situação fica mais difícil de controlar", diz Liliana. A motorista que acompanhava as quatro agentes também foi ameaçada. Um homem no Bar do Luiz, visivelmente embriagado, disparou palavrões. Cristiane reconhece que não será tarefa fácil. "Somos mulheres e estamos sozinhas." Questionadas se o trabalho de fiscalização deveria ter amparo policial, as quatro formaram coro: "Sim." Apesar dos incidentes, a fiscalização nas primeiras horas de ontem foi tranquila na região da Avenida Engenheiro Caetano Álvares, na zona norte de São Paulo. As quatro agentes começam a ficar calejadas com as piadinhas. Liliana riu quando um rapaz disparou: "Lá vêm os mosquitos da dengue", em referência ao vestuário delas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.