A partir do dia 4, Jardins terá 500 vagas a menos de Zona Azul

Prefeitura altera estacionamento em 23 vias, como Jaú, Lorena e Augusta e realoca pontos de táxi

Renato Machado e Cláudio Vieira, O Estadao de S.Paulo

29 de julho de 2008 | 00h00

Para melhorar o trânsito na região dos Jardins, a Prefeitura de São Paulo decidiu acabar com 26% da Zona Azul (513 vagas), proibir o estacionamento em período integral em 15 vias - incluindo trechos das Alamedas, Gabriel Monteiro da Silva, Jaú, Lorena e Campinas e das Ruas Augusta, Haddock Lobo e Caio Prado - e realocar os pontos de táxi. Até segunda-feira, quando os motoristas começarão a ser multados, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai instalar na região 669 novas placas de trânsito. Até lá, os agentes da CET vão monitorar toda a operação e orientar os motoristas nas 23 vias que sofrerão alterações. Veja lista com todas as alteraçõesDas atuais 1.902 vagas de Zona Azul existentes, 636 serão desativadas e outras 123 serão criadas. A mudança ocorre 50 dias depois do início da proibição de estacionamento no lado par da Rua Bela Cintra, entre a Rua Estados Unidos e a Alameda Jaú. "Essa medida melhorou o trânsito na região em 30%", avaliou ontem o secretário municipal de Transportes, Alexandre de Moraes. A partir de segunda-feira, também haverá proibição integral de estacionamento no lado ímpar da via, entre a Avenida Paulista e a Rua Matias Aires.Na região da Consolação, serão desativadas 45 vagas do sistema rotativo de estacionamento e instaladas 42 novas, de um total de 290 vagas de Zona Azul existentes. "Fizemos um levantamento que mostrou ociosidade nos estacionamentos na região dos Jardins. Por isso, adotamos este projeto-piloto para melhorar a fluidez", afirma o diretor de Operações da CET, Adauto Martinez Filho.GUINCHOQuem desrespeitar a determinação corre o risco de ser guinchado. O valor da autuação por parar em local proibido varia de acordo com a gravidade da infração. Se for leve (como estacionar em área de Zona Azul), o motorista pagará R$ 53,20; a média (parar diante de guia rebaixada) fica em R$ 85,13 e a grave (como estacionar afastado mais de 1 metro da guia ou em fila dupla), R$ 127,69.Em 2007, a Prefeitura aplicou 739,9 mil multas por estacionamento irregular - 21,32% a mais do que as autuações do ano anterior. Mas, sem guinchos suficientes, a CET acabava até mesmo descumprindo a legislação. Em casos de estacionamento irregular, era competência do órgão de trânsito, além de multar, remover o veículo. Mas a prioridade dos marronzinhos era guinchar veículos que quebravam nas vias da cidade - cerca de 700 por dia. Para o consultor em engenharia urbana Luiz Célio Bottura, trata-se de uma medida extremamente válida, que afeta ruas que têm importância vital na cidade, como a Augusta e a Consolação. "Defendo isso há anos. Ruas em que passam ônibus não podem ter estacionamento, carga e descarga de caminhões ou ponto de táxi." Para ele, o projeto-piloto da CET deve ser estendido aos poucos para outros pontos da cidade. "As ruas têm a denominação técnica de leito viário, não de leito estacionário."Mas a medida ainda promete polêmica, sobretudo com quem costuma parar na região. Em junho do ano passado, quando a Câmara Municipal aprovou uma lei que proibia o estacionamento no centro da capital paulista, a proposta acabou vetada pelo prefeito Gilberto Kassab. Na época, chegou-se à conclusão de que era necessário ampliar os estacionamentos na área, antes de fazer qualquer restrição aos automóveis. SEM LIBERAÇÕESSete vias com trechos onde o estacionamento atualmente é liberado passam a contar com restrições. A Alameda Jaú, por exemplo, ganha Zona Azul no lado ímpar, entre a Pamplona e a Convenção de Itu. O mesmo ocorre na Alameda Campinas, entre a Rua Estados Unidos e a Alameda Lorena. Outros locais, como a Rua Joaquim Eugênio de Lima entre as Alamedas Jaú e Lorena (lado par), passam a ter estacionamento proibido de segunda a sábado, das 7 às 22 horas. Entre as 23 que sofrerão alterações, só 5 vias mantém trechos com estacionamento liberado: Ruas Bela Cintra, Caio Prado. Frei Caneca e Ministro Rocha Azevedo e Alameda Gabriel Monteiro da Silva.Esse tipo de proibição ao tráfego havia sido cogitado pela primeira vez no pacote de trânsito anunciado no dia 19 de março, após sucessivos recordes de trânsito na capital. Também estavam previstas obras em 19 pontos em que há "estrangulamento" do tráfego, além da eliminação de valetas e lombadas que afetam a fluidez - a Avenida Robert Kennedy e a Estrada de Itapecerica, ambas na zona sul, seriam duas das contempladas. PROIBIDO PARAR EM PERÍODO INTEGRALAlameda Lorena: lado par entre a Avenida 9 de Julho e Rua PamplonaAlameda Campinas: lado par entre a Alameda Fernão Cardim e a Avenida PaulistaRua Joaquim Eugênio de Lima: lado par entre a Avenida Paulista e a Alameda JaúRua Oscar Freire: lado par entre a Avenida Rebouças e Rua Dr. Melo AlvesRua da Consolação: lado ímpar entre a Alameda Santos e Rua Estados UnidosRua Haddock Lobo: lado par entre a Avenida Paulista e a Alameda LorenaRua Ministro Rocha Azevedo: lado par entre a Avenida Paulista e a Alameda Itu e entre a Alameda Lorena e a Rua Estados Unidos; lado ímpar entre a Avenida Paulista e a Alameda SantosRua Augusta: lado par entre a Avenida Paulista e a Alameda Santos; lado ímpar entre a Avenida Paulista e a Rua Estados UnidosRua Colômbia: lado ímpar entre a Rua Estados Unidos e a Avenida BrasilAlameda Gabriel Monteiro da Silva: lado par entre a Avenida Brasil e a Rua Estados Unidos; lado ímpar entre a Rua Hungria e a Avenida BrasilRua Caio Prado: lado ímpar entre as Ruas Frei Caneca e AugustaRua Martinho Prado: lado ímpar entre a Avanhandava e AugustaRua Bela Cintra: lado ímpar entre a Avenida Paulista e a Rua Matias AiresRua Matias Aires: lado par entre as Ruas da Consolação e Bela CintraRua Dona Antônia de Queirós: lado ímpar entre as Ruas Bela Cintra e Augusta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.