''A questão não morre aí'', avisam procuradores

Procuradores da República estudam eventual recurso contra a decisão taxativa do Superior Tribunal de Justiça. Avaliam que o STJ desprezou dados como a delação premiada. Mas não pretendem recuar. Segundo eles, há procedimentos que podem ser "mantidos a salvo" da ordem do STJ.

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2011 | 00h00

Para os procuradores, as investigações não estão encerradas. Partem do princípio de que vários inquéritos têm como fonte manifestações do Tribunal de Contas da União, laudos de engenharia e auditorias de obras da Camargo Corrêa. "A questão não morre aí, existe a possibilidade de se prosseguir por meio de outras provas", assinala a procuradora Karen Louise Kahn. Os procuradores reconhecem que dados sobre evasão e lavagem não poderão ser usados por terem sido captados a partir da interceptação telefônica.

"Não houve análise dos procedimentos da Polícia Federal", adverte Karen. "Eu jamais endossaria atos ilegais. O Ministério Público não avança em seus procedimentos se valendo de ilegalidades. Eu faria tudo exatamente igual. Atuamos de forma cautelosa, preservando garantias e direitos constitucionais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.