A secretária do Goldman Sachs rouba US$ 8 milhões

Os jurados começaram a deliberar, hoje, se Joyti De-Laurey, de 35 anos, será condenada pela acusação de haver roubado US$8 milhões (R$ 23,12 milhões) de seus chefes, no banco Godman Sachs, para gastar em roupas, carros, jóias e propriedades.O juiz Christopher Elwen disse ao júri do Tribunal de Southwark que os promotores afirmam que Joyti é ?cínica, calculista e uma completa impostora?, mas serão os jurados que decidirão se ela comportou-se desonestamente.Durante as 12 semanas que o julgamento durou, o júri ouviu da acusação que Joyti tinha inveja do luxuoso estilo de vida de seus chefes e que, entre fevereiro de 2001 e abril de 2002, forjou a assinatura deles em cheques e transferências de dinheiro para suas contas. Ela é acusada de haver tirado US$ 5,9 milhões (R$ 17,05 milhões) do chefe da Goldman Sachs londrina, Edward Scott Mead, e US$ 2 milhões (R$ 5,78 milhões) do casal de executivos Ron Beller e Jennifer Moses.Presume-se que esse dinheiro foi usado para comprar produtos de luxo e propriedades, incluindo roupas de estilistas famosos, jóias da Cartier, um carro Aston Martin de US$313.000 (R$ 904.570,00) e uma vila em Chipre no valor de US$1,3 milhões (R$ 3,75 milhões).Joyti nega as 20 acusações de fraude, dizendo que o dinheiro lhe foi dado como gratificação por sua eficiência e discrição. Seu marido, Anthony, de 50 anos, e sua mãe de 68, Devi Schahhou, alegaram inocência da acusação de lavagem de dinheiro.A acusação diz que Joyti, que foi admitida no escritório londrino da Goldman Sachs em 1998, ganhou a confiança de seus chefes e estava encarregada dos pagamentos de suas contas pessoais e da transferência de fundos entre suas contas.O promotor Stuart Trimmer explicou que Joyti foi descoberta quando Mead, diretor-gerente do escritório londrino, examinou suas contas, em maio de 2002, com vistas a fazer uma doação à sua ex-faculdade.?Ele achou que as entradas em suas contas eram muito menores do que deviam?, contou Trimmer. ?E nós sabemos o motivo.?Segundo o promotor, Moses e Beller não perceberam que Joysti estava supostamente roubando-os até ela ser presa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.