A semântica da realidade

Ironia do destino! A transição começa sob o signo de um ajuste "rudimentar". Antes de embarcar para Seul, Dilma Rousseff reuniu-se com a equipe de transição e mandou segurar as bombas fiscais em gestação no Congresso, pediu revisão do Orçamento e, em linhas gerais, ordenou que se cumprisse a diretriz ditada no dia da vitória eleitoral, que "o povo não aceita que governos gastem acima do que seja sustentável".

Análise: Rui Nogueira, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2010 | 00h00

Há cinco anos, quando Antonio Palocci pregou o mesmo, a então recém-nomeada ministra da Casa Civil deu entrevista ao Estado e chamou o ajuste de proposta "desqualificada" e "rudimentar".

Ontem, como hoje, governar é ser tomada pela urgência prática de fazer com que as coisas aconteçam. Ela está tentando segurar a herança gastadora do criador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.