A sempre velha burocracia

Minha neta está com suspeita de ter a Síndrome de Zellweger, doença peroxisomal que faz com que a pessoa tenha carência de ácido decosahexaenóico. Ela ficou 20 dias na UTI. O médico disse que ela só pode ser alimentada pelo leite Neocate. A lata de 400 gramas custa R$ 350 e dura três dias, em breve, dois. Conforme Resolução número 336 da Secretaria da Saúde, de 27/11/2007, esse tipo de alimentação deve ser entregue gratuitamente pelo Estado. Fizemos a inscrição no posto de saúde Belenzinho em 19 de dezembro e disseram que levaríamos 30 dias para receber o leite. Ao questionarmos o prazo, diminuíram para até o dia 10 de janeiro de 2009. Procuramos a Ouvidoria da Saúde do Estado de São Paulo e apenas nos informaram que deveríamos procurar a farmácia de alto custo. Minha filha foi no dia 22 na Vara da Infância e Juventude, da Avenida Adolfo Pinheiro, mas o juiz se recusou a entrar com o processo porque, antes que este tramitasse, já receberíamos o leite. Creio que foi corporativismo para não processar o Estado. Entendo que deveriam expedir uma liminar para que se cumpra imediatamente a entrega do leite que já existe em estoque na farmácia de alto custo. No dia 23, minha filha foi à Defensoria Pública para conseguir uma liminar, mas se recusam porque o judiciário está em recesso. Cancelamos nosso Natal para comprar o leite e estamos a cada dia mais endividados, afinal, minha neta não pode ficar sem comer. Que burocracia é essa que pode deixar minha neta morrer de fome? Dar outro tipo de leite a ela é o mesmo que dar veneno para uma criança saudável.WALTER ARENDTSão PauloNas mãos do crimeO Real Park está nas mãos dos bandidos e ninguém faz nada para acabar com isso. Todos os dias acontecem vários assaltos à mão armada.ANNA MARIA D. L. AUGUSTOSão PauloA Polícia Militar (PM) do Estado de São Paulo esclarece que a 2.ª Companhia do 16.º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (16ºBPM/M) faz o policiamento da região e está adotando as medidas preventivas mais adequadas. Acrescenta que planeja o policiamento com base em banco de dados criminais, análises dos indicadores criminais e informações da comunidade para identificar as áreas que necessitam que os recursos sejam direcionados. A PM informa que na região do Real Parque, nos meses de janeiro a outubro de 2008, foram efetuadas 83 prisões em flagrante delito, recuperados 164 veículos roubados/furtados e apreendidas dez armas de fogo. Como uma parcela das infrações penais não chega ao seu conhecimento pela falta de notificação, a PM pede à população que registre qualquer ocorrência e faça denúncias. Para ter bons sonhosDou os parabéns à juíza que concedeu uma liminar para evitar caçambas após as 23 horas. Tal atitude já deveria ter sido tomada pelas autoridades municipais que só dão desculpas. No quarteirão da Rua Manuel da Nóbrega, entre a Rua Otávio Nébias e Mário Amaral, há seis caçambas que são trocadas entre 3 e 4 horas. O barulho na madrugada é enorme.PAULO ROBERTO A. DE FRANCOSão PauloO secretário das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, esclarece que a Secretaria Municipal de Serviços vistoriou o local. Informa que as caçambas metálicas irregulares não cadastradas foram removidas e as empresas, autuadas. Acrescenta que o Limpurb fiscalizou e apreendeu duas caçambas sem cadastro atualizado no dia 6 de dezembro, às 22h10. Também orientou como a empresa deve agir para eliminar o ruído.Óbvio "ululante"O carro do secretário-adjunto da Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Turismo de São Paulo estava estacionado na esquina da Rua Padre João Manoel com Alameda Santos, embaixo da placa de proibido estacionar, às 14 horas do dia 11 de dezembro.MARCOS DUTRASão PauloLeonardo Cost, da Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Turismo, confirma o delito. Justifica que o motorista, que estava sozinho, parou rapidamente o carro para atender uma ligação no celular e não viu a placa. Ressalta que o secretário-adjunto, Flávio Brízida, expressa desculpas pela falta de atenção de seu motorista e ressalta que sempre faz questão estacionar o carro que usa em estacionamentos privados.O leitor comenta: Não havia ninguém dentro do carro. Difícil acreditar que alguém saia do carro para atender o celular. Seria melhor o secretário assumir a culpa que vir com uma desculpa dessas. As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.