A transparência do governo está nos jornais, diz Lula

No início do segundo bloco do debate realizado nesta segunda-feira pela Rede Record, o presidente e candidato à reeleição pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva, perguntou ao candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin, "o que está acontecendo no Estado de São Paulo, com o governador do PFL, Cláudio Lembo, cobrindo o rombo" deixado pela gestão do tucano. Alckmin respondeu que o Estado tem déficit público há 12 anos e afirmou que diminuiu os impostos para o paulista. "O Estado vai terminar o ano com déficit público zero também". Alckmin voltou a criticar Lula por perguntar sobre assuntos paulistas. "Se o candidato quer discutir o Estado de São Paulo nós discutimos, mas o que está em questão é o governo do País". O tucano ainda salienta que deixou o governo com altos índices de aprovação - segundo ele, 70% dos paulistas consideraram seu governo bom ou ótimo - e afirmou que deixou as contas rigorosamente em dia. "O Estado tem um caixa de R$ 10 bilhões".O tucano, desviando sua resposta da pergunta, criticou novamente o baixo crescimento brasileiro: "Um dos problemas é o fato de o País não crescer. O candidato Lula está destruindo a indústria, elas estão indo embora em busca de competitividade". Alckmin acusou ainda a "falência nos juros, no câmbio, na carga tributária, na logística e na infra-estrutura".Na réplica, Lula afirmou que a carga tributária aumentou no governo Alckmin. "A economia brasileira está longe de ser perfeita", afirmou. "Mas vocês (PSDB) quebraram duas vezes o País." Lula também acusou seu adversário de aumentar a carga tributária em São Paulo e comparou a situação dos trabalhadores atualmente com a situação na época do governo FHC. "Nunca os trabalhadores tiveram tanto de reajuste como agora", concluiu.Alckmin, então, desafiou: "Gostaria que o candidato Lula citasse um imposto que aumentei". Segundo o tucano, o governo Lula aumentou diversos impostos, incluindo sobre a água e o esgoto, o que, segundo ele, "prejudica os pequenos". "O Brasil está ficando para trás; o prejudicado é o jovem, a mulher", concluiu o tucano.Ainda nos escândalosAo ser questionado pelo candidato do PSDB sobre as explicações do escândalo de desvio de dinheiro do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, Lula afirmou que isto só serve para denúncia eleitoreira. "O MP funciona muito rápido durante as eleições, mas não há nada concreto", declarou. "A explicação que eu tenho é de que não ficará pedra sobre pedra porque nós vamos apurar. Se estiver errado isso, eu não tenho medo de apurar. E apuraremos contra quaisquer pessoas".Lula tentou desviar o assunto falando sobre as conquistas na área econômica. "Nós mostramos que é possível compatibilizar crescimento com distribuição de renda", explicou o petista, ao dizer que ele quer e que é possível um crescimento acima de 10% na área econômica.Na réplica, Alckmin respondeu dizendo ser republicano é ter transparência. E citou novamente a história dos cartões corporativos da Presidência da República. "É cartão de crédito tirado na boca do caixa. Dinheiro público não pode ter outra ação, senão transparência. Por que não abre para a população?", desafiou. Lula, por sua vez, afirmou que não haveria problema em abrir os gastos "porque não tem segredo". "O que é fundamental é que a transparência do nosso governo está estampada na imprensa todos os dias, na Câmara e no Senado. As pessoas sabem o que acontece." Ele afirmou que gostaria que acontecesse no Brasil a Operação Mãos Limpas que aconteceu na Itália.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.