Abel Pereira conta que foi procurado pelos Vedoin

O empresário paulista Abel Pereira chegou para depor por volta das 10 horas desta segunda-feira, 23, na superintendência da Polícia Federal (PF) em Cuiabá (MT), onde será ouvido pelo delegado Diógenes Curado Filho, responsável pelas investigações. O advogado do empresário, Eduardo Silveira Mello Rodrigues, disse, na porta da PF, que Abel Pereira foi procurado em agosto por Luiz Antonio Vedoin, que pediu a ele acesso à alta cúpula do PSDB, porque tinha em mãos provas contra o senador petista Aloizio Mercadante, candidato derrotado ao governo de São Paulo.Abel alega que o primeiro encontro com Vedoin foi no Shopping Iguatemi, em São Paulo, e que tiveram outros dois encontros no Bar Deck-Avenida, em Cuiabá. Vedoin, segundo Abel, insistia que tinha provas suficientes para influir no resultado das eleições em qualquer Estado, com um documento contra Mercadante.SanguessugasAbel Pereira é acusado de ser lobista da máfia dos sanguessugas no Ministério da Saúde, em 2002, na gestão de Barjas Negri, no último ano do Governo FHC. Ele é suspeito de ter recebido propina de 6,5% sobre cada ambulância vendida pelo Grupo Planam, do empresário Luiz Antonio Vedoin.Barjas, tucano, é prefeito de Piracicaba (SP), onde ficam as principais empresas de Abel. Os dois são amigos há pelo menos três décadas. O inquérito da PF apura as ligações de Abel com Luiz Antonio Vedoin, considerado o chefe da máfia dos sanguessugas, que envolve 72 deputados e senadores e lesou o Tesouro em R$ 110 milhões.Os federais estão convencidos de que o esquema das emendas que abalou o Congresso foi montado em Mato Grosso. Em parceria com 51 prefeitos, Vedoin aproximou-se de parlamentares que criaram emendas para forçar a liberação de recursos extra-orçamentários da Saúde. O golpe ganhou proporções excepcionais a partir de 2003 (Governo Lula) e se alastrou por cerca de 500 prefeituras de quase todo o País.O inquérito contra Abel já abriga documentos que podem incriminá-lo, na avaliação da PF. São cópias de 15 cheques que somam R$ 601 mil, valor que teria sido depositado em favor do empresário a título de propina. O dinheiro seria para apressar a liberação de recursos do Ministério da Saúde. Esses documentos foram entregues há três semanas à PF por Expedito Afonso Veloso, ex-diretor de análise de risco do Banco do Brasil e protagonista da trama do chamado dossiê Vedoin.Rastreamento bancário indica que os cheques para Abel foram emitidos pela Klass Comércio e Representação Ltda., empresa do Grupo Planam, carro-chefe da máfia das ambulâncias. A gestão Barjas Negri na Saúde liberou dinheiro para a compra de 681 ambulâncias da empresa. Abel teria embolsado o equivalente a 6,5% do montante total. Aqueles R$ 601 mil foram apenas uma parte. A PF suspeita que Abel tentou comprar o silêncio dos Vedoin.AmizadeAbel e os Vedoin se conheceram em 2002. Darci Vedoin, pai de Luiz Antonio, era bem relacionado com o prefeito de Jaciara (MT) à época, Valdizete Martins Nogueira, então filiado ao PSDB, hoje ao PPS. Abel possui duas fazendas na região. Elas têm o mesmo nome, Cicate. São 14 mil hectares de terra. Quem intermediou o negócio de US$ 1, 5 milhão foi Valdizete. O ex-prefeito ganhou uma boa comissão, em torno de 5%. A PF e a Procuradoria da República presumem que as relações entre Abel e Valdizete vão além da amizade, o que pode caracterizar improbidade administrativa e crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.