Abel Pereira diz que vai desmontar "farsa" do dossiê

O empresário Abel Pereira, de Piracicaba, acusado de ser o intermediário do esquema dos sanguessugas, disse na quinta-feira última que espera "desmontar a farsa" do dossiê dos Vedoin durante o depoimento que dará na segunda-feira à Polícia Federal. "Vou falar na hora certa para desmontar essa farsa", afirmou. Abel será ouvido em Cuiabá, no inquérito que investiga o dossiê com supostas denúncias contra José Serra, do PSDB, pelo qual petistas iam pagar R$1,75 milhão, valor dividido em dólares e reais. Ele foi acusado pelo empresário Romildo Medeiros, que depôs quarta-feira na Justiça Federal, de receber o equivalente a 6,5% do valor de cada uma das ambulâncias vendidas às prefeituras entre 2001 e 2002. Na época, o atual prefeito de Piracicaba, Barjas Negri (PSDB), exerceu o cargo de secretário-executivo do Ministério da Saúde e, em seguida, assumiu o cargo de ministro, sucedendo a Serra, que concorria à Presidência da República. Pereira voltou a negar a participação no esquema e garantiu que os depósitos que teriam sido feitos em sua conta são "uma invenção". SerenoEle disse que está tranqüilo e preparado para dar seu depoimento, mas não quis adiantar detalhes. Ele foi orientado pelos advogados a não falar com a imprensa antes de ser ouvido pela PF por uma questão estratégica. "Estão usando o que eu falo para inventar novas acusações", disse, referindo-se aos autores das denúncias contra ele. Abel prometeu dar entrevistas depois do depoimento. "Vou responder a todas as perguntas que vocês (jornalistas) me fizerem." O advogado Sérgio Pannunzio, um dos defensores de Pereira, disse que o empresário jamais intermediou qualquer negociação envolvendo ambulâncias e nem recebeu dinheiro. "Quem o está acusando tem de provar." Pannunzio está convencido de que Abel foi envolvido no dossiê porque tem relação de amizade com Negri, já que ambos cresceram em Piracicaba. "Pegaram aquela licitação do hospital em Jaciara para estabelecer uma falsa ligação com o esquema." A empresa de Abel Pereira venceu licitação no valor de R$ 550 mil para ampliar um hospital em Jaciara, próximo de Cuiabá, no final da gestão de Negri. O dinheiro foi repassado pelo Ministério à prefeitura da cidade. O empresário é dono de uma fazenda em Jaciara desde 1999 e chegou a ser sócio de Darci Vedoin num projeto de gado leiteiro, em 2001, mas alega que a parceria não foi para frente. O advogado estranhou que o dono da Planan não tenha sido ouvido, até agora, no inquérito. Ele negou que seu cliente tivesse tentado comprar o dossiê por R$ 10 milhões, conforme consta do inquérito. Abel teria viajado para Cuiabá a fim de tratar dessa compra. "Se ele tivesse oferecido R$ 10 milhões, por que iriam vender ao PT por menos de R$ 2 milhões?", questiona o advogado. Segundo Pannunzio, o empresário esteve em Cuiabá no mês de setembro para tratar de negócios da fazenda, como faz todos os meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.