Abertura das três calhas faz Itaipu ter público recorde

Mais de 10 mil pessoas visitaram a usina na fronteira do Brasil com o Paraguai; vazão superou 11 mil metros cúbicos por segundo

O Estado de S. Paulo

23 Novembro 2015 | 11h23

FOZ DO IGUAÇU - A Usina Hidrelétrica de Itaipu, na fronteira do Brasil com o Paraguai, recebeu recorde de público neste domingo, 22. Mais de 10 mil pessoas visitaram o local para assistir à abertura das três calhas do vertedouro.

Com a abertura, a vazão nas 14 comportas passou de 11 mil metros cúbicos de água por segundo, o equivalente ao volume médio de oito Cataratas do Iguaçu. A administração da usina explicou que essa água é excedente e que não pode ser usada para a geração de energia elétrica, "porque o reservatório está no nível máximo".

Nos dois lados da usina, em Foz do Iguaçu, no Brasil, e em Hernandárias, no Paraguai, moradores da região e turistas de todos os cantos do mundo lotaram os dois mirantes do vertedouro.

Munidos de câmaras fotográficas, smartphones e paus de selfie, cada um procurava o melhor espaço para garantir o ângulo perfeito, mas o que importava mesmo era caber na foto.

O aposentado Ivo Santos, que trabalhou durante 35 anos na usina e viu pela primeira vez o vertedouro aberto, em 1982, fez questão de trazer a família inteira para assistir ao vertimento com três calhas abertas. Acompanhado da mulher, Cristina, da filha, Keila, do genro, Fábio, e do neto, Pedro Otávio, ele reviveu um pouco aquele acontecimento.

“É como se eu tivesse voltado no tempo. Naquela época, eu estava trabalhando e foi bem impactante, ver aquele vertimento. Hoje, estou aqui com a minha família reunida, é uma emoção diferente, mas Itaipu sempre no surpreende, ainda mais numa oportunidade como essa. Não poderia perder”, afirmou Ivo.

A emoção foi compartilhada com a filha. “É uma grande emoção estar aqui com o meu pai, que trabalhou tantos anos nessa empresa. Já tínhamos vindo aqui para passear, mas nunca tínhamos tido a sorte de ver as três calhas abertas. É incrível”, disse Keila.

Dona Cristina resumiu: “Sou apaixonada por Itaipu”.

Acompanhada da filha, Amanda, a cirurgião dentista Luciana Mattias, de Foz do Iguaçu, veio assistir ao espetáculo e ficou maravilhada. “Achei que seria uma oportunidade única. Não queria perder de jeito nenhum e valeu muito a pena.”

“Não imaginava a força da água. De perto é bem diferente do que ver pela televisão ou em fotografia. Ao vivo é muito mais bonito”, completou Amanda.

A turista alemã Annelie Heyn, que está visitando o Brasil pela primeira vez, está encantada com o País. “Eu não poderia estar mais feliz, além de encontrar tanta gente hospitaleira, tenho a sorte de vir para a Itaipu num momento raro como esse. É maravilhoso. Vou recomendar esse passeio para todos que conheço”, disse.

Só pelo Centro de Recepção de Visitante do lado brasileiro da usina, 6.251 turistas fizeram o passeio. A procura superou a expectativa, segundo a empresa que administra Itaipu.

Para o superintendente de Comunicação Social, Gilmar Piolla, que também é presidente do Fundo Iguaçu, o movimento surpreendente deste domingo mostra uma grande aproximação de Itaipu com a região.

“A cada evento, os moradores têm comparecido em grande número. Organizamos uma logística especial para atender turistas e moradores de Foz e região. Mais de 25 ônibus foram mobilizados para fazer o leva e traz das pessoas do Centro de Recepção do Visitante até o vertedouro”, declarou Piolla.

Vertimento. Itaipu abriu as três calhas neste domingo para testes operacionais. O vertimento começou às 10 horas e prosseguiu até as 14 horas. O máximo de vertimento chegou a 11.158 metros cúbicos de água por segundo, pela manhã. A vazão permanece em uma das calhas pelo menos pela próxima semana.

Mais conteúdo sobre:
Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.