Absolvição do coronel Ubiratan é retrocesso, avalia relator da ONU

Peritos da Organização das Nações Unidas classificaram a absolvição do coronel da reserva da Polícia Militar Ubiratan Guimarães de um "retrocesso" na luta pelos direitos humanos no País. A avaliação é do relator da ONU para a independência do Poder Judiciário, Leandro Despouy, que no ano passado publicou um relatório sobre a situação da Justiça no Brasil e qualificou a impunidade como um dos principais problemas do País. O coronel da reserva havia chefiado a invasão da Casa de Detenção que resultou em 111 mortes, em 1992. Mas na última quarta-feira, o TJ (Tribunal de Justiça) de São Paulo optou por anular a sentença de 632 anos de prisão pelo massacre do Carandiru. Em Genebra, a queixa principal contra o Brasil é que o governo está sempre disposto a ouvir as queixas, mas nunca toma providências em relação às violações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.