Acaba rebelião em presídio de Rondônia

No início da noite, autoridades do governo de Rondônia e presidiários assinaram um acordo que colocou fim à rebelião no Presídio Urso Branco, iniciada no domingo, e ondepelo menos 10 pessoas foram mortas. Durante o dia, presos que conseguiram deixar o local do motim contaram para a polícia que haviam outros quatro corpos, sendo que três pessoas teriam sido assassinadas na madrugada. Se as informações forem confirmadas, o total de mortos chegará a 14.O clima estava muito tenso pela manhã, mas no final da tarde, depois de o diretor do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Clayton Nunes, ter dado garantias de que não haveria retaliações e que as reivindicações seriam atendidas, os presos iniciaram as negociações, indicando um grupo de detentos, a quem chamavam de "massa carcerária", para fechar o acordo com o governo. Os rebelados queriam revisão de penas, melhores condições para os visitantes e principalmente a demissão de toda a diretoria do Urso Branco.Ainda pela manhã, os detentos decidiram que as cerca de 160 pessoas detidas e que estavam nas celas, desde a visita de domingo, não seriam liberadas até o desfecho das negociações. Apenas uma mulher, cujo nome não foi revelado, foi libertada por ter abortado dentro do presídio. Ela foi encaminhada ao Hospital de Base de Porto Velho, mas seu estado era estável.Dentro do Urso Branco a situação é lastimável e de pavor. De um lado do presídio, aconteceu a selvageria de segunda-feira, quando um preso foi degolado e outro esquartejado. No centro do Urso Branco, centenas de pessoas amontoadas em uma cela aguardavam o resultado das negociações. Lá fora, cerca de 150 pessoas continuavam gritando pelos parentes presos, com quem tentavam se comunicar por meio de roupas, toalhas ou lençóis. Mas ninguém sabia quem era quem por causa da distância.O acordo que garantiu o fim da rebelião no Urso Branco prevê:1 ? nada de espancamentos ou retaliações aos presos rebelados 2 ? revisão de todas as sentenças e que a Justiça liberte os presoscom penas vencidas. 3 ? entrada dos filhos menores em dia de visita 4 ? reforma das redes elétricas e de água 5 ? construção de uma nova enfermaria 6 ? garantia de medicamentos 7 ? melhoria na alimentação, com supervisão semanal de nutricionista 8 ? dois banhos de sol semanais 9 - orelhão em todo o presídio 10 - trabalho no presídio em troca de redução de pena 11 - assistência jurídica de advogados públicos 12 - permanência dos parentes até o preso voltar à cela 13 - construção de uma capela 14 - fim da superlotação 15 - troca de toda a diretoria administrativa 16 - construção de uma cobertura externa para que os familiares nãofiquem no sol e na chuva enquanto aguardam a vez 17 - respeito com as visitas - mulheres serem revistadas por agentes femininos. 18 - abastecimento de material higiênico para uso diário 19 ? espaço livre entre as celas para isolar os presos do seguro dos de convívio 20 - Distribuição de roupas e calçados pelo presídio 21 - transferência imediata de 30 presos para a colônia agrícola Nova Mamoré 22 - Uso de bermudas e chinelos nos dias de visita

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.