Acesso da PF aos registros de caixas-pretas é vetado

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) decidiu nesta terça-feira, 24, vetar o acesso da Polícia Federal (PF) aos registros das caixas-pretas do avião da Gol e do jato Legacy que se envolveram em um acidente no dia 29 de setembro, causando a morte de 154 pessoas. A Força Aérea Brasileira (FAB) justificou a decisão citando a Convenção de Chicago, da qual o País é signatário. O objetivo, segundo fontes da FAB, é evitar que o resultado da investigação aeronáutica seja utilizado para punir envolvidos no acidente. O delegado federal Renato Sayão, responsável pela investigação criminal do acidente, vai pedir à Justiça Federal que determine ao Comando da Aeronáutica o envio dos relatórios preliminares. A PF já constatou que 17 controladores de vôo do Cindacta em São José dos Campos, Brasília e Manaus estavam trabalhando no dia do acidente. E apurou que, no momento da colisão, a responsabilidade era dos dez controladores de plantão em Brasília. Eles serão intimados a depor em breve.Gravador de VozEquipes de buscas da Aeronáutica e do Exército encontraram na tarde desta terça, o gravador de voz, parte da caixa-preta do Boeing 737-800 da Gol que caiu após colidir com o jato Legacy, na Serra do Cachimbo (PA). O equipamento é considerado importante peça da investigação do acidente.As informações armazenadas por ele ajudarão no cruzamento de dados da outra caixa-preta do Boeing e das duas do Legacy. No sábado, o equipamento segue para o Canadá, onde será analisado em laboratórios especializados. Em Mato Grosso, continuam as buscas pelo último corpo do vôo 1907 - o do bancário Marcelo Paixão Lopes, de 29 anos. Também foram mantidas as operações para resgatar outros destroços do avião que possam auxiliar nas investigações. Cerca de 380 militares, com apoio de seis helicópteros, participam dos operações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.