Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Achado morto ex-juiz do TSE que defendeu Collor em 92

O advogado José Guilherme Villela, de 73 anos, que defendeu o ex-presidente Fernando Collor durante o processo de impeachment, em 1992, foi encontrado morto ontem à noite em seu apartamento em Brasília, na Asa Sul. De acordo com o vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Distrito Federal, Ibaneis Rocha, além de Villela foram mortas a mulher do advogado e uma empregada doméstica da família. Conforme informações de Rocha, os corpos foram encontrados por volta das 21 horas. Segundo ele, a polícia, inicialmente, trabalha com a hipótese de homicídio. O vice-presidente da OAB disse que o prédio onde a família residia tem um sistema de segurança controlado por câmeras. A reportagem do Estado entrou em contato ontem à noite com a 1ª Delegacia de Polícia de Brasília, responsável por investigar as mortes. Um dos policiais de plantão informou que a delegada titular tinha ido pessoalmente ao local do crime para participar da realização de uma perícia. Segundo o policial, ainda não existiam mais informações sobre o caso. De acordo com dados divulgados ontem pelo site do jornal Correio Braziliense, policiais informaram que os corpos estavam cobertos de sangue e com marcas de facadas. Villela, a mulher dele e a empregada não eram vistos desde sexta-feira. TRAJETÓRIAVillela era um conceituado advogado em Brasília. Costumava atuar em tribunais superiores e no Supremo Tribunal Federal (STF). Era amigo de ministros e ex-ministros do STF. Nascido em Manhuaçu, Minas Gerais, Villela também foi ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.