Acidente com balão: oito brasileiros continuam internados na Turquia

Um turista está em estado grave, segundo a embaixada; três brasileiras morreram na queda

Andrei Netto, O Estado de S. Paulo

21 Maio 2013 | 12h24

PARIS - Oito turistas brasileiros vítimas do acidente envolvendo dois balões na Capadócia, na manhã de segunda-feira, 20, continuam internados em hospitais da Turquia. Um deles está em estado grave, segundo informações da embaixada brasileira. A vice-cônsul, Aline de Souza, está visitando os feridos.

Os corpos das três turistas brasileiras mortas no acidente devem ser transferidos nesta terça-feira de Göreme para Ancara. Familiares de Ellen Kopelman, de 76 anos, Maria Luiza Gomes, de 71, e Marina Rosas, de 65, são esperados na Turquia, segundo a embaixada brasileira.

Ainda não há prazo para os corpos chegarem ao Brasil. Além da questão burocrática (emissão da certidão de óbito e da documentação para a repatriação), a transferência depende das seguradoras que cada turista havia contratado.

O governo turco já abriu a investigação sobre as causas do acidente. Um relatório preliminar é esperado para poucas semanas, segundo a embaixada.

O acidente. A colisão aconteceu pouco depois das 6h (0h de Brasília), em Göreme, na província de Nevsehir. Minutos após a decolagem, o balão no qual estavam os turistas brasileiros se chocou com o cesto de outra aeronave, tendo a lona perfurada. "Segundo testemunhos, o acidente foi causado por um choque entre o balão que subia e o cesto de uma outra aeronave. O balão que subia foi rasgado e caiu rapidamente", disse o governador da província de Nevsehir, Abdurrahman Savas em entrevista à agência France Press.

 

 

Imagens feitas por cinegrafistas amadores e distribuídas pela internet mostraram o momento da queda do balão, que chega ao solo parcialmente desinflado e em alta velocidade. Segundo Roberto Alfaia, secretário da Embaixada do Brasil em Ancara, 24 passageiros, além do piloto, estavam a bordo.

 

Mais conteúdo sobre:
Queda de balão Capadócia Turquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.