Acidente com van escolar irregular mata 4 crianças no Rio

Outras 6 crianças ficaram feridas; motorista do veículo pode responder por homicídio e lesão corporal

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo, com Central de Notícias

01 Julho 2009 | 15h58

Um acidente envolvendo uma van e um reboque causou a morte de quatro crianças e deixou pelo menos outras seis feridas na tarde desta quarta-feira, 1º, na Linha Vermelha, no sentido da Baixada Fluminense. Para socorrer as vítimas, um helicóptero do Corpo de Bombeiros teve de pousar na pista, piorando o congestionamento. Na hora do acidente, a lentidão era de 5 km nos dois sentidos da Linha Vermelha.

 

A van que levava alunos do Colégio Pedro II não tinha autorização para transportar estudantes. O acidente ocorreu por volta das 14 horas. Uma Topic parou por problemas mecânicos, próximo à sede da Infraero, na Ilha do Governador. O reboque da prefeitura chegou minutos depois e "empurrou" o veículo para o acostamento - procedimento feito justamente para evitar acidentes.

 

R. S. S., de 14 anos, V. L. S., de 11, E. R. F. R., de 8, e A. L. C. T., de 7, morreram no local. Um menino negro, aparentando 12 anos, foi levado de helicóptero para o Hospital Miguel Couto, no Leblon. Ele sofreu múltiplas fraturas e respira com ajuda de aparelhos. Uma menina de 7 anos, sem documentos, está inconsciente no Hospital de Saracuruna, em Duque de Caxias. O estado dela é gravíssimo.

 

Os outros feridos internados no Hospital de Saracuruna são um garoto de 10 anos e uma menina de 7, ambos estáveis, em observação. No Hospital Getúlio Vargas (HGV), na zona norte, está uma garota de 10 anos, que quebrou as pernas, e outra de 9, em observação.

 

O motorista da van, identificado como Alberto, também estava no HGV. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Saúde, ele estava lúcido e orientado, e aguardava para fazer tomografia de crânio. A delegada Leila Goular, da 37.ª Delegacia de Polícia (Ilha do Governador) pretendia tomar o depoimento dele ainda nesta quarta.

 

De acordo com a delegada, o veículo não tinha autorização para levar alunos - não tinha a placa específica, nem a faixa amarela que identifica esse tipo de transporte, ou as portas nas duas laterais, como exige a legislação. Além disso, era emplacado em Cabo Frio, na Região dos Lagos. "Ao que tudo indica, o motorista estava desatento, não viu o reboque parado. Não há nenhuma marca de frenagem no asfalto", informou Leila Goulart.

 

O motorista será indiciado por exercício ilegal da profissão, homicídio culposo (sem intenção) e lesão corporal culposa. Ele pode responder em liberdade, se pagar a fiança, ainda não fixada.

 

No Colégio Pedro II, um dos mais tradicionais do País, a notícia do acidente causou comoção. A direção da instituição decretou luto e hasteou a bandeira nacional a meio pau. Uma equipe de assistentes sociais foi enviada aos hospitais para auxiliar as famílias dos estudantes. O colégio não oferece transporte escolar e informou que a associação de pais tem um cadastro próprio de prestadores desse tipo de serviço.

 

Atualizado às 19h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.