Acidente com van escolar não autorizada mata 4 crianças

Veículo bateu em reboque da prefeitura do Rio na Linha Vermelha; motorista será indiciado

Clarissa Thomé, O Estadao de S.Paulo

02 Julho 2009 | 00h00

Quatro crianças morreram e seis ficaram feridas num acidente envolvendo uma van de transporte escolar do Colégio Pedro II. O veículo se chocou contra um reboque da prefeitura do Rio na Linha Vermelha, via expressa que liga o centro à Baixada Fluminense. Um helicóptero do Corpo de Bombeiros teve de pousar na pista para resgatar parte dos feridos. A via ficou interditada e o engarrafamento chegou a 5 km, nos dois sentidos. A van não tinha autorização para levar estudantes. O acidente aconteceu por volta das 14 horas. Uma Topic parou por problemas mecânicos, próximo da sede da Infraero, na Ilha do Governador. O reboque da prefeitura chegou minutos depois e "empurrou" o veículo para o acostamento - procedimento feito justamente para evitar acidentes. O motorista da Topic chegou a sinalizar para os outros carros, mas foi alertado pelo condutor do reboque para deixar a pista, porque havia o risco de ser atropelado. Nesse momento, a van, que levava alunos de São Cristóvão, na zona norte, para a Baixada Fluminense se chocou contra a rampa do reboque. Na batida, a lateral direita do veículo escolar foi cortada ao meio e a van capotou, parando 30 metros adiante. Mochilas e lancheiras dos alunos ficaram espalhadas na pista. Raiane da Silva Souza, de 14 anos, Vinícius Lopes da Silva, de 11, Esther Reis Fernandes da Rocha, de 8, e André Lucas Couto Teles, de 7, morreram no local. Um menino negro, aparentando 12 anos, foi levado de helicóptero para o Hospital Miguel Couto, no Leblon. Ele sofreu múltiplas fraturas e respirava com ajuda de aparelhos. O garoto seria irmão mais velho de André Lucas. Uma menina de 7 anos, sem documentos, estava inconsciente no Hospital de Saracuruna, em Duque de Caxias. O estado dela é gravíssimo. Os outros feridos internados foram Pedro Henrique Santos Silva, de 10 anos, e Maria Clara Soares de Oliveira, de 7. Ambos têm quadros estáveis. No Hospital Getúlio Vargas (HGV), na zona norte, estão Gabriele Moraes Santos Silva, de 10 anos, que quebrou as pernas, e Taissa Cristine Siqueira Lima, de 9, em observação. O motorista da van, identificado como Alberto, também estava no HGV. A delegada Leila Goular, da 37ª Delegacia de Polícia (Ilha do Governador) pretendia tomar o depoimento dele ainda ontem. De acordo com a delegada, o veículo não tinha autorização para levar alunos - não havia a placa específica nem a faixa amarela que identifica esse tipo de transporte ou as portas nas duas laterais. O motorista será indiciado por exercício ilegal da profissão, homicídio culposo (sem intenção) e lesão corporal culposa. Ele pode responder em liberdade, se pagar fiança. No Colégio Pedro II, um dos mais tradicionais do País, a notícia do acidente causou comoção - e a direção decretou luto. O colégio não oferece transporte escolar e informou que a associação de pais tem um cadastro próprio de prestadores desse serviço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.