Acidente danifica fachada de capela do século 18 em MG

Um acidente com um microônibus danificou parte da fachada de uma capela do século 18, na rua São Francisco de Assis, bairro Antônio Dias, na área central da cidade histórica de Ouro Preto (MG), nas proximidades da Praça Tiradentes. A colisão ocorreu na noite de terça-feira, 19. Além de danificar o muro frontal, o acidente provocou danos no portal do imóvel, no passeio e degrau de pedra. O impacto provocou uma grande trinca no imóvel. A capela, conhecida também como Passo de Antônio Dias ou Passo da Cana Verde, integra o percurso das procissões da via-crúcis durante a Semana Santa.A Polícia Militar registrou ocorrência e um laudo deverá ser divulgado em 30 dias. Na hora do acidente, apenas o motorista, identificado como Wilson José Gomes, estava no microônibus - que havia transportado turistas durante o dia. Ninguém ficou ferido. O condutor disse que perdeu o controle do veículo quando descia uma rua de acesso, que, em razão da chuva, estava molhada e escorregadia. Ele culpou a "imprudência" de um carro que seguia à sua frente pelo acidente.PatrimônioO acidente, mais uma vez, chama a atenção para o tráfego no centro histórico da cidade mineira, considerada patrimônio Mundial pela Unesco. Atualmente o trânsito de veículos pesados, como caminhões de grande porte e ônibus, é proibido no local, mas microônibus podem circular. O secretário municipal de Patrimônio e Desenvolvimento Urbano de Ouro Preto, Gabriel Simões Gobbi, admitiu que são necessárias novas medidas de restrição do trânsito de veículos na região tombada. Ele disse que procedimentos já estão sendo estudados. "A nossa maior preocupação atualmente é implantar um estudo de tráfego compatível com a situação urbana do centro histórico de Ouro Preto, porque as ruas não estão dimensionadas para o volume e nem para o peso do tráfego que hoje circula na cidade", disse. "Nós devemos limitar a circulação dos próprios microônibus e caminhões chamados de ´meia carga´, bem como restringir bastante o trânsito em algumas vias que não detêm uma condição segura de tráfego".Técnicos da prefeitura municipal, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e da Fundação de Artes de Ouro Preto (Faop) irão analisar os danos e determinar as intervenções no imóvel tombado. Um tapume foi colocado no local. Segundo Gobbi, será apurada também a responsabilidade pelo acidente e um possível ressarcimento aos cofres municipais dos custos com a recuperação do monumento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.