Acidente em siderúrgica cobre Volta Redonda com pó preto

Segundo a CSN, houve sobrepressão em um alto-forno; companhia foi autuada pelo Estado do Rio

Clarissa Thomé e Mônica Ciarelli, RIO, O Estadao de S.Paulo

01 Julho 2009 | 00h00

Um acidente no principal alto-forno da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) deixou calçadas e carros cobertos por um pó preto no centro de Volta Redonda, no sul do Estado do Rio. O acidente assustou moradores da região. De acordo com a empresa, houve sobrepressão no topo do alto-forno 3 da Usina Presidente Vargas e abertura de válvulas de alívio por 2 minutos e 19 segundos. A siderúrgica foi autuada pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). A sobrepressão provocou um barulho semelhante ao de uma explosão por volta das 7h45. Moradores contaram que ouviram um longo assovio. A companhia explicou que a ação automática das válvulas permitiu que o alto-forno voltasse a operar, mas provocou emissão da fumaça. O mau tempo dificultou a dispersão do pó preto, que se concentrou sobre casas, calçadas, plantas e carros. "O que aconteceu ali é semelhante ao funcionamento de uma panela de pressão. É claro que é preferível a liberação da nuvem de fumaça do que uma explosão, mas é preciso saber o que provocou esse aumento de pressão. Vamos ser enérgicos para que outras falhas não levem a esse tipo de situação", afirmou o presidente do Inea, Luiz Firmino Martins Pereira. A CSN informou que está apurando a causa da sobrepressão. Técnicos do Inea avaliaram o ar como inadequado por causa de gases poluentes, como gás carbônico e partículas de carvão. A legislação estadual prevê multa entre R$ 1 mil e R$ 500 mil. O valor ainda não foi fixado. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente vistoriou o alto-forno e recebeu a informação de que o equipamento, com capacidade para 10 toneladas de material, operava com 9 toneladas. Os técnicos querem saber se há alguma falha na tubulação. NÚMEROS 9 toneladas era a quantidade de material no forno no momento do acidente 10 toneladas é a capacidade máxima R$ 500 mil é o valor máximo de multa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.