Acidente entre bonde, táxi e ônibus deixa 1 morto e 8 feridos

Após primeiro choque, passageira saltou do bonde e morreu imprensada

Clarissa Thomé, RIO, O Estadao de S.Paulo

17 Agosto 2009 | 00h00

Um acidente entre um táxi, um ônibus e um bonde deixou uma mulher morta e oito pessoas feridas na manhã de ontem, no bairro de Santa Teresa, ponto turístico da zona sul. Andreia de Jesus Resende, de 29 anos, ficou imprensada entre o bonde e o ônibus, e morreu no local. O motorista do táxi, que segundo testemunhas provocou o acidente, fugiu do local. O choque ocorreu às 11 horas, quando o bonde subia uma ladeira na Rua Pascoal Carlos Magno e foi atingido por um táxi, que vinha na direção contrária. O motorneiro perdeu o controle do veículo, que desceu de ré. Um ônibus que seguia logo atrás do bonde ainda tentou frear, mas não conseguiu impedir a batida. No ônibus, ninguém ficou ferido. Havia cerca de 20 passageiros no bonde. Em pânico, alguns começaram a pular do veículo. "As pessoas se desesperaram. Quem pulou se machucou. A moça pulou do lado errado e ficou imprensada entre o ônibus e o bonde", contou o motorista Eduardo Rezende, de 36 anos, que no momento do acidente estava no fim da rua, trabalhando na gravação do filme Nosso Lar, que tem o bairro como cenário. Andreia não resistiu aos ferimentos e morreu no local. O namorado da moça, Gilmar Silvério de Castro, que também havia pulado do bonde em movimento, desesperou-se. O motorneiro entrou em estado de choque. Revoltados, moradores colocaram cartazes no bonde com as inscrições "tecnologia assassina" e "bonde moderno assassino". "Esse assunto foi discutido pela associação de moradores. Parece que o sistema novo não tem freio de emergência. Com a batida, o freio eletrônico deixou de funcionar e o bonde ficou ao Deus dará", contou uma moradora, que se identificou apenas como a comerciária Lup, de 54 anos. Ela contou que ouviu o barulho da batida e correu para o portão. "Ouvi o som da descompressão do freio. Quando olhei, o bonde vinha descendo e as pessoas pulavam. Foi uma coisa horrível." O Corpo de Bombeiros informou que atendeu oito pessoas, levadas para hospitais municipais. A Secretaria Municipal de Saúde informou, no entanto, que recebeu apenas sete passageiros. Para o Hospital Miguel Couto, foram levados dois húngaros e dois italianos, com ferimentos leves. O Hospital Souza Aguiar atendeu uma mulher de 55 anos, com traumatismo craniano leve, e dois homens, com ferimentos sem gravidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.