Acidentes com pontes e passarelas são comuns em São Paulo

Acidentes como o da madrugada desta quinta-feira, 8, quando um caminhão derrubou uma passarela nas proximidades do Aeroporto de Congonhas, ocorrem com freqüência em São Paulo. A falta de fiscalização ou imprudência do motorista costumam fazer com que caminhões entalem ou até derrubem pontes e passarelas. Esses acidentes, além de causarem prejuízos materiais por danificarem a estrutura de pontes e passarelas, complicam o já caótico trânsito da cidade. E, o mais grave, podem deixar vítimas. Em 7 de junho de 1997, um acidente semelhante ao desta madrugada aconteceu no quilômetro 213 da Via Dutra. Um caminhão basculante, que trafegava no sentido São Paulo-Rio, perto de Guarulhos com a caçamba levantada, derrubou uma passarela e provocou a interdição da pista por oito horas e deixou sete pessoas mortas, além de 20 feridos.Entre as vítimas, dois pedestres que caminhavam sobre a passarela no momento do acidente e outras cinco que morreram após um engavetamento que envolveu quatro veículos.O pouco movimento de carros e de pedestres no local do acidente de hoje, que ocorreu por volta das 3 horas, evitou um dano maior, pois a passarela atingida cruza a Avenida Washington Luís, uma das mais movimentadas de São Paulo. Passarela já caiuNão é a primeira vez que a passarela de pedestres da Washington Luís vai abaixo devido acidente. Em agosto de 2000, o motorista de uma transportadora mineira tentou passar pela passarela de 4,5 metros com uma carreta de 4,84 metros. Em vez da Avenida Washington Luís, a carreta deveria ter seguido pela Avenida Vereador José Diniz. Na época, o gerente da transportadora, João Cavalheiro, afirmou que a culpa pelo acidente foi da empresa de escolta paulistana contratada pela transportadora. Veículos com cargas pesadas devem circular por São Paulo com um batedor, funcionário que orienta o caminhoneiro a respeito do caminho mais adequado a seguir, e Cavalheiro garantiu que o batedor que dirigia à frente da carreta se atrapalhou e errou o caminho, provocando o acidente.MarginaisNas pontes das marginais do Tietê e do Pinheiros, os riscos de acidentes são constantes devido a presença de muitas pontes ao longo das vias. Muitos caminhões e carretas circulam diariamente nas marginais, com excesso de altura ou cargas que ultrapassam o limite. Muitas vezes, acidentes são causados por uma diferença de apenas cinco a dez centímetros em relação à altura do concreto das pontes.

Agencia Estado,

08 de junho de 2006 | 17h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.