Ações policiais em morros do Rio deixam 8 mortos

Duas operações policiais deixaram oito acusados de tráfico mortos e outro ferido no Rio, na tarde de ontem. Na mais violenta investida da polícia, uma intensa troca de tiros entre homens do 1º Batalhão de Polícia Militar e criminosos do Morro da Coroa, em Santa Teresa, na região central, seis homens morreram e um ficou ferido. Eles chegaram a ser levados para o Hospital Souza Aguiar, mas não resistiram. Segundo o comandante do 1º BPM, coronel Sérgio Luiz Mendes, uma equipe do batalhão subiu o morro para averiguar informações recebidas por meio de disque-denúncia sobre locais de pontos de vendas de drogas na região. Eles teriam sido recebidos a tiros e, durante o confronto, balearam os criminosos. Na operação, a PM apreendeu três fuzis e dois revólveres.Mais cedo, no Morro do São Carlos, no Estácio, também no centro, dois traficantes, segundo policiais, morreram durante ação da Polícia Civil com mais de cem homens de delegacias especializadas. A operação visava a prisão dos chefes do tráfico local e a polícia chegou a ter a participação de um guia, que entrou na favela encapuzado e com roupas de manga e calça compridas, para ajudar na localização de criminosos. De acordo com a polícia, os dois homens que morreram seriam seguranças do líder das bocas de fumo locais, Rogério dos Reis Mosqueira, o Rupinol. Ele teria conseguido fugir durante a troca de tiros. Ninguém foi preso durante a operação. MORTEIRONa manhã de ontem, a polícia encontrou um morteiro de aproximadamente 60 centímetros, de uso exclusivo das Forças Armadas, numa mata próxima da favela Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana, zona sul. De acordo com policiais do Esquadrão Antibombas, o morteiro serve só para iluminar uma área e já havia sido utilizado. O clima na favela ontem foi de tranquilidade. Anteontem, quatro pessoas morreram e duas ficaram feridas durante operação policial. Há duas semanas, cinco pessoas morreram durante confrontos entre traficantes de facções rivais e PMs. Os intensos tiroteios trouxeram pânico para vários bairros da zona sul carioca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.