Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Acompanhante de anciã tem prisão temporária decretada

Fátima Antônio, acompanhante de Luciana Aparecida Vieira Pinto, de 92 anos, teve a prisão temporária decretada por um prazo de 30 dias, que pode ser prorrogado por mais 30. Em depoimento que durou aproximadamente cinco horas, ela admitiu que praticou as agressões mostradas em vídeo contra a professora aposentada Luciana Aparecida Vieira Pinto.A mulher morreu no último domingo, vítima de traumatismo craniano, em São José do Rio Preto, a 450 quilômetros da capital paulista. A suspeita foi indiciada por homicídio doloso duplamente qualificado, ou seja, com intenção de matar.As informações foram passadas pelo delegado seccional Roberto Cezário da Silva, 61 anos, em entrevista coletiva, marcada inicialmente para as 17h30, mas que só teve início quase duas horas depois.De acordo com o delegado, a acompanhante da anciã usou como argumento para justificar as agressões distúrbios psicológicos. Cezário da Silva diz ainda que Fátima afirmou tomar medicamentos antidepressivos. "Ela disse que vinha se sentindo perturbada, que não estava bem de saúde há alguns meses."A suspeita foi encontrada pela polícia nesta quarta de manhã. Ela estava na casa de parentes, no município de Icém, a 65 quilômetros de Rio Preto. "Hoje, foi convidada a nos acompanhar à delegacia, o que fez sem resistência e devidamente acompanhada de advogado", diz o delegado.Depois de uma saída tumultuada da Delegacia Seccional, onde prestou depoimento, ela foi conduzida algemada à Delegacia de Investigações Gerais (DIG), onde ficará presa até a transferência para uma cadeia feminina da região.A representação do pedido de prisão só foi encaminhada nesta quarta à tarde ao Fórum de Rio Preto e assinada pelo juiz Robledo Matos Alves de Morais. A polícia recebeu os laudos, com os resultados das análises da fita de vídeo, que contém as imagens das agressões, e as conclusões da autópsia no corpo da vítima."O Instituto de Criminalística confirmou a autenticidade da filmagem. E o laudo do Instituto Médico-Legal apontou traumatismo crânio encefálico como causa da morte", confirma o delegado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.