Acordo informal foi usado na caça às FARC em 1999

Brasil e Colômbia mantém desde 1999 um acordo informal de Defesa para o uso do espaço aéreo, dos rios comuns e dos territórios fronteiriços por militares empenhados na caça a guerrilheiros das FARC ou, nos termos mais recentes, "no combate aos ilícitos". O primeiro acerto foi feito diretamente pelos presidentes Fernando Henrique Cardoso e Andres Pastrana, por telefone, quando, durante a Operação Querari, um exercício de combate, foi necessário enviar dois caças bombardeiro AMX, da FAB, no encalço de uma coluna da guerrilha que se preparava para trocar drogas por armas em uma pista clandestina de Mitu, próximo do território brasileiro. A nova organização do tratado vai permitir a expansão do perímetro das patrulhas armadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.