Acordo reduz fila de caminhões em Paranaguá

A fila de caminhões em direção ao Porto de Paranaguá diminiu nesta terça-feira à tarde, após ter chegado a 120 quilômetros na noite desta segunda.Um acordo entre policiais, concessionária Ecovia, administração do porto e dos terminais de exportação, além do sindicato dos caminhoneiros, permitiu que caminhões carregados com milho ou que se destinassem a armazéns privados com espaço fossem liberados das filas.Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a fila manteve-se praticamente estável durante todo o dia no quilômetro 80 da BR-277, no município de São José dos Pinhais.No entanto, por cerca de 10 a 15 quilômetros da Serra do Mar não foi permitido que os caminhões ficassem parados no acostamento. A polícia calcula 70 caminhões em cada quilômetro.Cooperativas também contribuíram para diminuir a fila, segurando em seus próprios armazéns no interior do Estado a carga que não tinha contrato com data pré-estabelecida.Por volta das 13 horas, a BR-277 teve a pista interditada por cerca de meia-hora, pois caminhoneiros não estavam concordando com a retirada de alguns veículos da fila.A situação foi controlada com o auxílio da polícia. A Polícia Rodoviária Federal pediu reforço para a fiscalização da rodovia durante o feriado da Semana Santa, que contará também com um helicóptero.Os usuários também estão sendo orientados a buscar rotas alternativas para o litoral. A Ecovia, concessionária que administra o trecho da BR-277 entre Curitiba e Paranaguá, acredita que, depois do transporte da safra paranaense, serão necessários aproximadamente 1 milhão de reais para recuperar o acostamento, que está sendo bastante danificado com a parada dos caminhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.