Acordo vai repatriar os 922 brasileiros presos nos EUA

O documento que vai formalizar o acordo para repatriar os 922 brasileiros presos nos Estados Unidos começou a ser debatido hoje, afirmou o senador Hélio Costa (PMDB-MG). Segunda-feira, disse, serão discutidos os critérios para a escolha dos primeiros presos a embarcar. Eles virão em vôo fretado, custeado pelos Estados Unidos. A primeira viagem deve ser feita dentro de duas semanas, com 200 passageiros. Outras deverão ser feitas quinzenalmente, até que todo o grupo tenha sido transportado.Costa garantiu que as negociações contam com a anuência do Ministério das Relações Exteriores. ?Um consultor jurídico doItamaraty acompanhou todo o andamento do trabalho?, disse. Normas internacionais proíbem a extradição de presos por aviõesfretados. Por essa razão, o Ministério da Justiça, por meio de sua assessoria, negou que o acordo estivesse fechado. ?O acordo só foi feito com a garantia dos Estados Unidos de que os brasileiros não seriam submetidos a situaçõesconstragedoras?, contou Costa. Os presos não viajarão algemados. Também foi decidido que não seriam usados aviões militarespara o transporte. ?Trata-se de um acordo temporário: valerá somente para os integrantes deste grupo?, adiantou. Resolvido oproblema destes brasileiros, será retomada a prática usual: a repatriação será feita em vôos comerciais, quando houver assentos vagos nos aviões. Segundo o senador Marcelo Crivella (PL-RJ), que também está nos Estados Unidos, o avião que transportará os imigrantesilegais de volta ao Brasil aterrisará no aeroporto de Cofins, em Belo Horizonte. Pelos levantamentos, 60% dos detidos sãomineiros. Depois da primeira escala, o avião seguirá para Goiânia para levar os demais passageiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.