Acuado por governo argentino, El Clarín recebe prêmio da ANJ

Jornal argentino tem enfrentado uma série de ataques de setores ligados à presidente Cristina Kirchner

, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2011 | 00h00

Por sua luta em defesa da liberdade de imprensa, executivos do jornal argentino El Clarín receberam ontem, em Brasília, o Prêmio ANJ (Associação Nacional de Jornais) de Liberdade de Imprensa. O diário vem enfrentando, há tempos, uma série de ataques partidos de setores do governo de Cristina Kirchner.

Um dos principais problemas ocorreu em março, quando o jornal não circulou num domingo. Organizados por uma central sindical e supostamente com a cumplicidade de setores do governo, piquetes iniciados na véspera impediram que a edição dominical fosse às ruas.

Distribuída no dia seguinte, a edição tinha uma reportagem sobre a abertura de uma investigação para apurar suposto enriquecimento ilícito de um líder sindical.

"Assim como o Clarín, o La Nación, outro bravo diário argentino, além de outros títulos, sofreram ações patrocinadas por setores ligados ao governo em represália ao bom jornalismo que fazem. Houve até boicote publicitário a outro jornal, Perfil, que precisou recorrer à Corte Suprema para obrigar o governo a incluí-lo na sua pauta publicitária", disse ontem a presidente da ANJ, Judith Brito, que participou da solenidade, na sede do Supremo Tribunal Federal (STF).

O prêmio foi entregue ao presidente do grupo Clarín, Hector Magnetto, e ao seu editor-geral, Ricardo Kirschbaum, por filhos do jornalista Sidnei Basile, recentemente falecido e que ocupou o cargo de vice-presidente do Comitê de Liberdade de Expressão da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.