Acusação pede a condenação apenas de viúva de ganhador da Mega-Sena no Rio

Promotora diz que não há provas definitivas contra ex-seguranças pelo morte de Renné Senna

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

02 de dezembro de 2011 | 18h48

RIO - O Ministério Público pediu a absolvição de três dos quatro réus acusados pela morte de Renné Senna. Ele havia ganho R$ 52 milhões na Mega Sena e foi morto a tiros em 7 de janeiro de 2007, em Rio Bonito, no interior do Rio, onde morava. A acusação só pediu a condenação da viúva, a cabeleireira Adriana Almeida, que seria a mandante do crime. O julgamento começou na segunda-feira e tinha previsão de ser concluído ainda na noite desta sexta-feira, 2.

A promotora Priscila Nageli Vaz, responsável por acusar os réus, pediu ao júri a absolvição da personal trainer Janaina Oliveira e dos policiais militares Marco Antônio Vicente e Ronaldo Amaral, ex-seguranças de René. Segundo ela, não há prova definitiva da participação deles no crime.

Mas a promotora afirma não ter dúvidas de que Adriana mandou Anderson Souza e Ednei Gonçalves, julgados em 2009 e condenados a 18 anos de prisão, cometerem o assassinato. Janaina Oliveira morava com Souza e foi acusada de ajudar a planejar o crime.

"O Ministério Público se convenceu absolutamente da condenação de Adriana. Ela era ambiciosa, não suportava mais a vida com ele e começou a fazer de tudo para se dar bem. Quando Adriana entrou na vida de Renné, ele se apaixonou e pagou o preço", afirmou Priscila.

Para sustentar a acusação contra Adriana, a promotoria se baseia em conversas telefônicas gravadas entre a cabeleireira e Anderson Souza, em dezembro de 2006 e janeiro de 2007. No dia do crime, 7 de janeiro, a cabeleireira recebeu oito ligações. Segundo a promotora, nove dias antes do assassinato Renné assinou um documento que tornava a mulher dona de 50% da fazenda, avaliada em R$ 9 milhões.

Na quinta-feira, Adriana prestou depoimento e voltou a negar envolvimento no crime. Ela admitiu ter traído o marido com um ex-namorado e disse que "não foi um relacionamento amoroso, apenas sexual". Segundo ela, Renné nunca desconfiou de que estava sendo traído.

Mais conteúdo sobre:
Renne SennaMega-SenaRiocrime

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.