Acusada de matar filha recém-nascida é presa

A Polícia de Agudos, no interior de São Paulo, prendeu na terça-feira, 9, a ajudante-geral Tatiane Pereira, de 23 anos, acusada de matar asfixiada e queimar a própria filha recém-nascida, num crime que chocou a cidade, localizada a 18 quilômetros de Bauru, na região oeste do Estado. Para esconder o bebê do marido, que tinha passado por vasectomia, Tatiane colocou a criança, com cinco dias de vida, em sacos plásticos e, dois dias depois, queimou o pacote numa fogueira feita no quintal de sua casa, onde os policiais encontraram os ossos do bebê. Denunciada por vizinhos, que chamaram a polícia, Tatiane confessou o crime e foi presa por infanticídio e ocultação de cadáver.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.