Acusado de incendir ônibus 350 se cala em julgamento

Começou na tarde desta quarta-feira o segundo julgamento do traficante Anderson Gonçalves dos Santos, o Lorde, acusado de ter comandado o incêndio ao ônibus 350, em 29 de novembro de 2005. Ao ser interrogado nesta quarta pelo juiz Luiz Noronha Dantas, do 2.º Tribunal do Júri, Lorde permaneceu calado. No ataque ao ônibus 350, ocorrido em represália à morte de um comparsa, deixou cinco mortos, entre eles um bebê, e 16 feridos, em Brás de Pina, zona norte da cidade. No primeiro julgamento, em novembro passado, Lorde foi condenado a 444 anos e seis meses de reclusão. Como a pena em cada um dos homicídios ultrapassou 20 anos, ele teve direito a novo julgamento.Os advogados de defesa pediram a leitura das peças do processo, o que levou mais de três horas. Os 16 sobreviventes do ataque seriam ouvidos pelo juiz ainda na noite desta quarta. A previsão é de que o julgamento termine por volta das 5 horas de quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.