Acusado de integrar o PCC é preso pela polícia gaúcha

A polícia gaúcha prendeu o paulista Oséas Cardozo, conhecido como Português e considerado como homem ligado ao alto escalão da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Ele estava foragido do sistema penitenciário do Rio Grande do Sul, no qual cumpria pena em regime semi-aberto, e é suspeito de ter participado de ações criminosas na região metropolitana de Porto Alegre desde janeiro desde ano, quando sumiu do Instituto Penal de Venâncio Aires. Na mesma ação, na tarde de terça-feira, 6, foram presos três parceiros de Cardozo.O cerco ao grupo ocorreu depois que agentes da Brigada Militar (a Polícia Militar gaúcha) desconfiaram de um comboio, formado por um Siena, um Vectra e um Ecosport, que se deslocava da zona norte para o centro de Porto Alegre pela Avenida Assis Brasil. Os policiais chamaram reforços e cercaram os carros. Conseguiram revistar e prender Cardozo, Diego Jung e Carlos Alves, tripulantes do Siena, enquanto os outros integrantes do bando fugiram nos outros carros. O Vectra acabou se envolvendo num acidente de trânsito, o que levou à prisão de Jonas Alves. O grupo portava armas como pistolas e uma submetralhadora. A polícia do Rio Grande do Sul identificava Cardozo como membro do PCC desde fevereiro de 2001, quando ele foi preso pela primeira vez no Estado, junto com outros nove paulistas e quatro gaúchos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.